quinta-feira, 31 de março de 2011

EJERCICIO FISICO "PARA GENTE OCUPADA"



Hoy en día el trabajo en oficinas es el mayor causante de contracturas, malas posiciones corporales y demás afecciones en el cuerpo. Pero también, luego de varios y extensos estudios médicos, se ha comprobado que estas malas posiciones generar un estrés corporal tan alto que puede predisponernos a contraer enfermedades.
Un buen método para vencer el cansancio muscular, es realizar caminatas regulares cada 40 a 50 minutos y que solo nos tomen unos 5 minutos en promedio. Para mejorar la circulación de nuestro cuerpo y romper con la mala postura al estar sentados tanto tiempo.
Un buen ejercicio para las contracturas cervicales es pararse derecho, levantar la cabeza y moverla hacia arriba y hacia abajo, en función de estirar el cuello. También es recomendable rotar hacia los lados para aflojar la nuca.
En cuanto a los hombros y brazos, girarlos hacia atrás y hacia adelante, permitirá que se relaje la zona y además mejorará la postura.
Con estas pautas, sólo resta consultar al Medico y despues un Profesor Educacion Fisica y empezar a trabajar.

Hoy mismo puede cambiar tu vida!!!

Vamos platicar  ejercicios siempre !!!

abrazos a todos !!!


ciudad de taubate
brasil

 

EN ALGUN LUGAR DEL MUNDO OTRA VEZ - SIEMPRE

Primeira Vitória do Ayrton Senna na Formula-1


SAUDADES

FRASES DO ESPORTE: Masutatsu Oyama


"Nunca esquecer que no caminho das Artes Marciais, as recompensas serão abundantes somente com dedicação e aplicação".

Seja qual for o seu objetivo, a musculação é a base para melhores resultados.



Nos dias atuais, é impossível falar de exercício físico sem passar pela musculação. Com certeza é a principal modalidade, base para todas as outras e sozinha consiste em um excelente exercício. Para quem quer emagrecer, a musculação aumenta o metabolismo basal, sendo mais eficiente do que uma atividade aeróbica qualquer. Mesmo com um gasto menor durante o exercício em comparação com as outras atividades, nas próximas 24 horas em que a musculatura esta em recuperação do glicogênio gasto (combustível muscular ) essa recuperação gasta muita energia.
Então com esse gasto acumulado a musculação supera as outras modalidades, e evita a perda de peso muscular, muito comum em quem só faz atividades aeróbicas por exemplo. Se o seu caso é ganhar músculos, então a musculação é seu único caminho. Você só precisa estar atento para não pular fases, ou seja, começar elevando o seu condicionamento muscular, preparando suas articulações e alongando bem os músculos, depois dessa adaptação geral ai sim você pode partir para hipertrofia (ganho de massa muscular).
Outro fator importante é analisar o seu biótipo, basicamente existem 3 tipos de estrutura corporal, os que são magros e não ganham massa muscular com facilidade (Meligeni de tênis), os que já tem uma estrutura um pouco maior ( o Xuxa da Natação) e os baixos e fortes (Romário). O treinamento é bem diferente para cada caso, se você é magro não se desgaste com séries longas, no máximo 40 minutos e trabalhe pouco volume ( 2 séries para cada musculatura já é o bastante) e use todos os músculos todos os dias, não divida demais a série.
Se você já é mais estruturado, trabalhe de forma padrão ( 3 séries de 10 repetições), e divida bem os grupos musculares (peito e tríceps , costas e bíceps e perna e ombro). Se você é baixo e forte, use séries intermediárias ( 2 séries de 12 repetições) e focalize em seus pontos fracos ( se tem pernas fortes faça mais tronco). Caso você pratique outros esportes, a musculação vai te ajudar a ganhar mais potência, agilidade e vai evitar que você sobrecarregue as articulações quando joga, nenhum atleta de alto nível fica sem musculação.

Guia dos Movimentos de Musculação - Abordagem Anatômica - 4ª Ed.

Guia dos Movimentos de Musculação - Abordagem Anatômica - 4ª Ed.


Esta obra descreve de modo claro e preciso a maioria dos movimentos de musculação. Cada exercício é apresentado por meio de desenhos de qualidade excepcional que permitem a visualização dos grupos musculares solicitados. Um texto com todas as informações práticas acompanha cada ilustração e permite ao iniciante ou ao atleta consumado elaborar suas sessões de treinamento.
Nesta nova edição foram acrescentadas páginas especiais com informações sobre as lesões mais comuns em determinadas séries de musculação, o que enriquece ainda mais o conteúdo.
A quarta edição do "Guia dos Movimentos de Musculação" deve permanecer na mochila do esportista e se tornar o conselheiro esportivo pessoal disponível a qualquer momento.
Sua abordagem anatomomorfológica singular e o rigor científico de suas ilustrações fizeram com que este livro recebesse o grande Prêmio de Técnica e Pedagogia Esportiva, tornando-o referência absoluta para estudantes, professores, médicos e cinesioterapeutas.

El ejercicio físico: su planificación y control de las cargas





  Este material es de gran importancia, porque recoge de forma concreta y sencilla los aspectos más generales sobre el   ejercicio físico, su selección, planificación y control de las cargas donde también analiza distintas recomendaciones para la selección y utilización de los mismos.



    Es un importante material de consulta para los estudiantes que cursan post-grados en las especialidades del deporte porque fundamenta los objetivos más generales y brinda adecuada información para el alcance de los mismos.


    El trabajo también se fundamenta a través de resultados de investigaciones contemporáneas realizadas en países que se encuentran en la avanzada del deporte mundial, por autores reconocidos y con la experiencia de la introducción de este trabajo en la Preparación de atletas de diferentes deportes y niveles por el autor.



Introducción
 
 
    El ejercicio físico constituye el medio fundamental en el campo de la Educación Física y el entrenamiento deportivo, sin ellos, estos no existirían.
    Los ejercicios físicos provocan un efecto en el organismo, la más visible es la hipertrofia y están encaminados al desarrollo de capacidades y habilidades.
    Para realizar un análisis, selección, planificación y control de las cargas de los ejercicios físicos se deben tener presente dos aspectos fundamentales, los cuales son: clasificación y la praxiología motriz fundamental de la disciplina deportiva seleccionada.
 


Desarrollo

    Los ejercicios pueden ser clasificados de la siguiente manera:
  • Generales.
  • Especiales.
  • Competitivos
Los ejercicios generales: son aquellos que en su ejecución no contienen fases y/o partes técnicas de la especialidad deportiva seleccionada y están encaminados a:
  • La preparación del organismo para las acciones generales del entrenamiento.
  • El desarrollo de las capacidades físicas generales.
  • La recuperación del organismo de las cargas recibidas.
Los ejercicios especiales: estos contienen en su ejecución partes o fases técnicas de la especialidad deportiva seleccionada y están encaminados a:
  • La preparación del organismo para las acciones específicas de la parte principal del entrenamiento.
  • Para la enseñanza y corrección de fases y partes de la técnica del deporte seleccionado.
  • Desarrollar las capacidades físicas especiales, teniendo como base la praxis motriz del deporte seleccionado.
Los ejercicios competitivos: son aquellos que se ejecutan dentro del juego, los cuales están reglamentados y son los que se desarrollan para obtener los resultados esperados.
    Los ejercicios generales y especiales pueden realizarse con: sobrecargas externas y sin sobrecargas externas.
    Los ejercicios competitivos se realizan en el entrenamiento técnico - táctico, en la enseñanza y perfeccionamiento de esas habilidades, las cuales se desarrollan dentro del juego y se realizan únicamente con el implemento reglamentado, o sea, sin sobre cargas externas, en la mayoría de los deportes.
    Los ejercicios, teniendo en cuenta su dirección del trabajo muscular se pueden clasificar como: flexores y extensores, según su función y objetivos están encaminados al desarrollo de capacidades y habilidades, así como también a la terapéutica de lesiones producidas.
    Para el desarrollo de los ejercicios físicos hay que tener presente cuatro (4) aspectos fundamentales para que ocurra en el organismo humano un desarrollo eficiente que persigue los objetivos bien determinados por el profesor y se logre la bioadaptación, estos son:
  • Psicológico.
  • Morfológico y funcional.
  • Técnica de ejecución. (Pedagógico)
  • Energético.
    Teniendo en cuenta estos aspectos nunca se corre el riesgo que el efecto de su ejecución sean negativos para el organismo.
    Para realizar una adecuada selección de los ejercicios físicos para su aplicación en las clases o unidades de entrenamiento se deben tener en cuenta los aspectos siguientes:
  • Objetivos que se persiguen.
  • Complejidad.
  • Régimen de trabajo muscular.
  • Alcance de su efecto.
  • Praxis motriz de la especialidad deportiva seleccionada.
    Para realizar un análisis de la Praxis motriz en cualquiera de las especialidades deportivas, se debe tener en cuenta los aspectos que a continuación se plantean, teniendo como base las acciones que se pueden ejecutar dentro de la competencia oficial, la cual está reglamentada.
  • Tiempo.
  • Espacio.
  • Dirección muscular en la ejecución de los movimientos.
  • Tipos de aceleraciones en los desplazamientos (ritmo).
  • Grupos musculares fundamentales que intervienen y predominan en los movimientos.
    Después que se ha caracterizado la praxis motriz del deporte, se realizará la selección de los ejercicios teniendo en cuenta también el principio de la relación entre la preparación general y la preparación especial y con el conocimiento de las características grupales e individuales de los alumnos que se van a preparar, así como también en la etapa de preparación que se encamine dicha preparación. Posteriormente a estas informaciones indispensables que se deben conocer, es que se puede realizar la planificación de las cargas de los ejercicios ya seleccionados, pero antes debemos conocer y tener presente los diferentes componentes de la carga, pues sin ellos no se podría dosificar esta en busca del cumplimiento de los objetivos propuestos y lograr una adecuada eficiencia.


Teniendo en cuenta los componentes de las cargas analizadas anteriormente se puede plantear:
“para planificar todo tipo de carga física hay que tener presente la interrelación entre estos componentes de la carga y su efecto en el organismo".
    Al lograrse esa interrelación en la planificación y aplicación de las cargas, es que se produce la bioadaptación en el organismo, lográndose un desarrollo armónico de las capacidades y habilidades que se tracen como objetivos.
 
    En la actualidad en el mundo existe una tendencia muy marcada en la planificación de las cargas físicas del entrenamiento deportivo el aspecto energético del metabolismo del organismo, esa tendencia está basada en los resultados de investigaciones realizadas en los últimos años especialmente en los EE.UU., Rusia y Alemania.
 
    Teniendo en cuenta que el organismo del hombre tiene la posibilidad de regenerar energías que se gastan durante la realización de los ejercicios físicos, incluso incrementadas y es precisamente durante el descanso donde se produce fundamentalmente esta regeneración de energías es por lo que el descanso es un componente de la carga física, el cual hay que planificarlo y controlarlo.
 
    Por todo lo anterior es que recomendamos tener presente las características y particularidades de los mecanismos energéticos en la planificación de las cargas para el desarrollo de capacidades y habilidades durante el entrenamiento deportivo y teniendo en cuenta el principio de la relación entre trabajo y descanso recomendamos la planificación del entrenamiento en tiempo real de trabajo y tiempo de descanso en dependencia del nivel de preparación de los atletas y las características del deporte, por todo lo anterior estamos recomendando que durante la planificación del entrenamiento diario en la parte de la dosificación se desarrolle de la forma siguiente:


Dosificación:

         TAREA                                               T. W.                                              T. DESCANSO
Carreras Planas                      3/8" 2= Repeticiones / 6 seg.                       % R - 50 Seg.
                                                                                                                        % S - 120 Seg.
  Saltos gradas                                                                                                % E - 120 Seg.
                                                                                                                         % S - 180 Seg.
                                                                                                                         % E - 300 Seg.




 Como se plantea anteriormente, el descanso es un componente de la carga física, pues sin él no se tiene en cuenta la recuperación y la adaptación de los organismos por lo que existen varios criterios o tipos de descanso, a continuación le brindamos lo planteado por varios autores:
    Según Hill existen las siguientes redacciones:
  • 1 - 1,5: cuando el T. W. Es el doble al T. de Descanso.
  • 1 - 1: Cuando el T. W y el T. de Descanso son iguales.
  • 1 - 2: Cuando el T. de descanso es el doble al T. W.
  • 1 - 3: Cuando el T. de descanso es el triple al T. W.
    Para la relación Trabajo - Descanso en los dos primeros es mejor aplicable al trabajo lactácido y aerobio y los dos últimos al trabajo lactácido.
    Capacidad de rendimiento en el transcurso de 24 horas según Grosser 1992.
  • Mañana, de 8 - 10 a.m.
  • Tarde, de 2 - 6 p.m.
    Para resumir se puede plantear sin temor a equivocación que para seleccionar ejercicios y aplicar cargas en el entrenamiento hay que tener en cuenta el análisis siguiente:
  1. Realizar un análisis de la praxis motriz del deporte.
  2. Seleccionar los ejercicios a aplicar.
  3. Aplicar cargas en los ejercicios en dependencia de las características de los esfuerzos a realizar en la competencia del deporte y gastos de energía.

Simbología
W= Trabajo
T. W. = Tiempo de trabajo
T. Descanso = Tiempo de descanso
% R = Entre repeticiones
% S = Entre series
% E = Entre ejercicio

Bibliografía
  • Alexander, P. Aptitud física, características morfológicas y composición corporal. Pruebas estandarizadas en Venezuela. Ed. Depoactión. Caracas. 1993
  • Calderón, C. y colectivo. Fundamentos generales de la teoría y metodología de la Educación Física. Ed. Pueblo y Educación. La Habana. 1993.
  • Ehlenz, Grosser y Zimmerman. Los principios de la Fuerza y la planificación del Entrenamiento Deportivo. Ed. Roca S.A. México. 1991.
  • Forteza de la Rosa, Armando. Entrenamiento para ganar: Metodología del Entrenamiento Deportivo. Ed. Olimpia, México, D.F. 1994
  • Futuro II-El programa educativo: FIFA/CocaCola. Ed. FIFA. Printed in Switzerland, 1997.
  • Platonov, B. P. La adaptación en el deporte. Ed. Paidotribo, Barcelona. España. 1992.
  • Apuntes de la Escuela Cubana de Boxeo. Alcides Sagarra Carón. Ed. Revista Record, Cuba Nro. 7. 1997.
  • Volkov, N. I. Los procesos de recuperación en el deporte. Ed. Stadium. SRL. Buenos Aires. Argentina s/n.
  • Sistema de Capacitación y Certificación para Entrenadores deportivos; Fútbol, nivel 3. Area Técnico-Práctica. Impreso por la Comisión Nacional de Deportes (CONADE) México, D.F., 1997.


FONTE: www.efdeportes.com/

 

segunda-feira, 28 de março de 2011

" DIA MUNDIAL DA ATIVIDADE FÍSICA - 6 DE ABRIL "

Dia Mundial da Atividade Física é celebrado em todo o planeta



O QUE É?
O Dia Mundial da Atividade Física – Agita Mundo proposto pelo Programa Agita São Paulo, foi criado pela Organização Mundial da Saúde - OMS, com o intuito a promover uma grande mobilização mundial para a reflexão e a realização de ações a favor da adoção de estilo de vida mais ativo, buscando uma melhor condição de saúde, bem-estar e qualidade de vida das populações em todo o mundo. Desde 2005 os organizadores do evento optaram por eleger um tema central, que direcionasse o foco das discussões, e para o ano de 2011 o tema escolhido foi: “JUNTOS PARA UMA VIDA ATIVA E FELIZ ”, o objetivo dos organizadores com a proposta deste tema é levar as pessoas a refletirem sobre o seu ambiente externo e de como ele interfere na prática da atividade física no que se refere à estrutura física e clima social para a adoção de um estilo de vida mais ativo e saudável.

COMO NASCEU ?

A partir do sucesso e repercussão mundial do Programa Agita São Paulo lançado em 1996, em 2002 a OMS decidiu-se  celebrar o DIA MUNDIAL DA SAÚDE com o tema ATIVIDADE FÍSICA - “Move For Health”, escolhendo pela primeira vez na história desta data uma cidade da América do Sul, São Paulo como sede das celebrações deste evento, em reconhecimento ao sucesso do PROGRAMA AGITA SÃO PAULO. Neste ano, portanto São Paulo realizou uma grande festa para celebrar a data com a presença da Diretora Geral da Organização Mundial da Saúde, nesta data também o então governador de São Paulo Geraldo Alckmin assina o decreto estadual determinando o dia 6 de abril como Dia Estadual da Atividade Física. A partir deste ano a OMS decreta que no dia 6 de Abril passe a ser celebrado como DIA MUNDIAL DA ATIVIDADE FÍSICA. Desde então a data vem sendo comemorada anualmente nos diversos países membros da OMS que integram a Rede Mundial da Atividade Física, Agita Mundo Network instituição criada para difundir o conceito de estilo de vida ativo, bem como capacitar multiplicadores e organizar eventos por todo o mundo.
QUEM ORGANIZA?
 Sob a coordenação do Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul - CELAFISCS e da Secretaria de Estado da Saúde o evento AGITA MUNDO - DIA MUNDIAL DA ATIVIDADE FÍSICA, esta sendo organizando a partir da mobilização dos mais de 350 parceiros do Programa Agita São Paulo, pela Rede Agita Brasil em diversas cidades por todo o território nacional, desde de 2008 o Ministério da Saúde também mobiliza sua rede para celebrar a data, a RAFA - Rede de Atividade Física das Américas através dos programas regionais das cidades nos diferentes países da América Latina e dos mais de 40 países nos 5 diferentes continentes que formam a Rede Agita Mundo.

O principal evento da data será a Caminhada Agita Mundo no dia 03 de abril com a previsão da participação de aproximadamente mais de 25 mil pessoas.


Vamos viver bem para uma vida saudável !

DIA MUNDIAL DA ATIVIDADE FÍSICA

Estamos próximos da comemoração do Dia Mundial da Atividade Física e para celebrarmos convidamos a todos a participarem da nossa tradicional caminhada que acontece no dia 3 de Abril, domingo, a partir das 8 horas da manhã, em frente ao MASP.













VAMOS PARTICIPAR !!!!!!!!!!!!!!!!!!


domingo, 27 de março de 2011

Bebidas esportivas e energéticas



Após intensa atividade física em montanha ou prática de esportes é comum vermos as pessoas consumindo bebidas esportivas, também chamadas de isotônicas. mas qual será a diferença entre estas bebidas e outros líquidos? Elas são, na verdade, opções práticas para a reposição de água e sais minerais, perdidos durante a atividade física.
A correta hidratação é fundamental para o bom funcionamento do organismo e depende do consumo adequado da bebida antes, durante e depois da prática de qualquer atividade física, independentemente do seu tempo de duração. Precisamos nos hidratar para mantermos o pique em qualquer tipo de exercício. Durante a prática de uma hora de exercício intenso, a perda de líquido por meio do suor e da respiração pode chegar a volumes superiores a 1 litro.
As bebidas isotônicas encontradas no mercado foram desenvolvidas para prevenir a desidratação e melhorar o desempenho esportivo. o termo isotônico refere-se à tonicidade, isto é, a concentração iônica de um líquido em relação ao sangue. significa que a composição desse líquido apresenta uma concentração de moléculas (osmolalidade) semelhante aos fluidos do nosso corpo e, portanto, suas substâncias podem ser incorporadas e transferidas para a corrente sangüínea.
São bebidas isotônicas o soro caseiro, a água de coco, e as industrializadas gatorade, sportdrink, marathon, esportage, all sport ou powerade (algumas delas oferecidas na versão em pó). Podem ser consumidos por praticantes de atividade física, mas gestantes, lactantes, hipertensos, diabéticos, celíacos e pessoas com doenças renais não devem consumir o produto industrializado sem estrita orientação médica.
A água de coco é considerada um dos melhores isotônicos naturais porque apresenta vários eletrólitos como sódio, potássio, fósforo e cloro, possibilitando uma absorção mais rápida, recuperando as perdas dos minerais, além de carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e fibras.
Por ter a concentração de moléculas menor que a do sangue (baixa osmolalidade), a água pura é considerada uma bebida hipotônica. Ela possui muito poucos íons. diferentes das isotônicas, elas são pobres em carboidratos. É uma boa opção para ser usada após exercícios pesados, que precisam de reposição de líquido, mas sem reforço de carboidrato.
O essencial é não ficar sem ingerir líquidos após a prática de exercícios. nosso corpo tem uma capacidade muito grande de ajustar a osmolaridade, aumentando ou diminuindo a quantidade ou concentração urinária, por exemplo, ou com outras alterações do seu metabolismo.

 Bebidas enegéticas

Um outro tipo de bebida que ganha cada vez mais a adesão de diferentes públicos são as chamadas bebidas energéticas, que estimulam o metabolismo e tem por finalidade fornecer energia. são muitas as marcas encontradas no mercado: Red bull (líder em vendas e a primeira a entrar em vários países), Flying horse, Adrenalinrush, Atomic, Bad boy, Burn, Monster, Red devil, Powerhouse ou extasis. estas bebidas contêm substâncias como cafeína, metilxantina e vitaminas do complexo b, alem de componentes herbais como guaraná, taurina, ginseng, maltodextrina, inositol, carnitina, creatina, glucoronolactona e ginkgo biloba. enquanto algumas versões contêm altos teores de açúcar, outras são adocicadas artificialmente.
Inicialmente a bebida energética foi desenvolvida para o público noturno, que desejava passar a noite toda dançando. hoje o perfil do consumidor é mais abrangente: jovens, estudantes e até mesmo esportistas, de diferentes idades, fazem uso dessa bebida para os mais diversos fins. os participantes de corrida de aventura ou de provas de duração prolongada, por exemplo, têm consumido estas bebidas durante competições e treinos para se manterem acordados ou buscarem melhor desempenho.
Atualmente estas bebidas movimentam em torno de U$$ 20 bilhões por ano e suas estratégias de marketing voltam-se cada vez mais para os praticantes de esportes ou de atividades físicas em geral. não é a toa que patrocinam atletas e apóiam eventos culturais em todo o mundo.
Apesar de bebidas energéticas não serem prejudiciais se utilizadas com moderação, com orientação média ou em situações apropriadas, é importante saber optar por marcas que não apresentem concentrações abusivas de nenhuma substância, além de entender como o corpo pode reagir ao uso das mesmas.
De acordo com a legislação brasileira, as bebidas energéticas podem ter a adição de cafeína como ingrediente no limite máximo de 350 mg/ l. os seguintes ingredientes também são permitidos, conforme os limites máximos no produto a ser consumido: inositol (20 mg/ 100 ml), glucoronolactona (250 mg/100 ml), e taurina (400 mg/ 100 ml).
A mais importante destas substâncias é definitivamente a cafeína, que além dos efeitos ergogênicos parece também aumentar o consumo de lipídios pelo corpo, poupando as reservas de carboidratos, o que é muito importante em exercícios de longa duração. mas fique atento porque, apesar de a cafeína aumentar momentaneamente o desempenho físico e mental, o consumo abusivo na maioria das vezes prejudica a performance, já que pode causar tremores, desordens do sono e problemas gastrintestinais.

Hipertônicas x isotônicas

É importante não confundir as bebidas energéticas com as esportivas. diferentes das isotônicas (esportivas) ou hipotônicas (água), as energéticas são hipertônicas, pois possuem concentração de moléculas maior que a do sangue (alta osmolalidade), além de conter grande quantidade de carboidrato, o que a caracteriza como "bebida energizante". estas bebidas, em geral, possuem grande concentração de açúcar, por isto estimulam a sede, e apresentam vitaminas hidrossolúveis, como as do complexo b.
Lembre-se: as bebidas energéticas são diferentes das esportivas porque visam fornecer substâncias estimulantes, como açúcar ou cafeína, enquanto que as bebidas esportivas visam reabastecer eletrólitos, açúcar, água e outros nutrientes, sendo geralmente isotônicas. as hipertônicas são consumidas antes da atividade física e dão sede, enquanto que as isotônicas são usadas para matar a sede, utilizadas durante ou depois da prática esportiva.

História curiosa

Gatorade foi criado no campo de futebol americano pelos cientistas da Universidade da Flórida na década de 60. o treinador do time local - o Gators - pediu à equipe de cientistas da universidade comandada pelo Dr. Robert Cade achar uma solução para a queda de rendimento físico e desempenho do seu time durante os treinos e jogos que, numa região de clima tropical, eram realizados sob calor intenso. os estudos conduzidos pela equipe de cientistas do dr robert cade obtiveram como resultado uma bebida que proporcionasse a reposição rápida dos líquidos, carboidratos e sais minerais perdidos pelo organismo. a bebida que ajudou os gators a ganhar o campeonato da temporada foi posteriormente chamada de Gatorade em homenagem ao time. Desde 1988, Gatorade está no Brasil.




                                           fonte: www.gatorade.com.br

LA CARRERA POR EL MUNDO

CREF - Conselho Regional de Educação Física - Seja um profisisonal registrado

 
O Conselho Regional de Educação Física (CREF) é uma autarquia federal, integrante do serviço público federal que orienta, disciplina e fiscaliza o exercício do profissional de Educação Física, para que a sociedade seja atendida por profissionais eticamente comprometidos, com conhecimento

" Seja um profisisonal registrado "

Sono e a atividade física , sono e corrida .



O sono e a atividade física


Sono é vida e os praticantes de atividade física sistemática devem procurar tê-lo de forma mais reparadora, mais profunda e de maior duração. Mas, para muitas pessoas, uma boa noite de sono tem sido cada dia mais difícil.

Alguns fatores que contribuem para isso são:


  • stress diário
  • preocupações familiares
  • não obedecer ao relógio biológico
Nosso sono é dividido em alguns estágios; o principal estágio é o do sono profundo - NREM - sono com movimento ocular não-rápido. Durante este estágio há um maior relaxamento e diminuição da freqüência cardíaca, da temperatura corporal, da atividade cerebral, da pressão arterial e do metabolismo.

Muitas pessoas não conseguem atingir esse estágio importante do sono, pois não têm capacidade de relaxar e não estão suficientemente preparadas para uma noite bem dormida.

Quando não dormimos bem durante a noite, o nosso dia fica comprometido: o mau humor afeta o desempenho no trabalho e a falta de sono nos deixa mais lentos para realizar tarefas do dia-a-dia. Uma noite mal dormida não interfere diretamente na prática de atividade física - os músculos trabalharão normalmente, porém a mente estará atormentada e mais lenta, não conseguindo acompanhar o corpo.

Pesquisas comprovam que pessoas que praticam atividade física adormecem com maior facilidade e dormem por um período mais longo e de forma mais profunda do que os que nunca praticaram ou não praticam atividades físicas com freqüência.

Existem algumas evidências de que exercícios de alta intensidade possuem melhor efeito sobre a qualidade do sono em relação ao exercício de baixa intensidade.

No entanto, o exercício e a transpiração próximos ao horário de dormir, podem causar efeito contrário sobre a qualidade do sono, tanto para indivíduos treinados como para sedentários.

Deve-se evitar exercício intenso no final da noite, para que o corpo não fique muito aquecido e não consiga entrar no estágio de sono profundo.

Durante o sono profundo são fabricadas substâncias de alta complexidade - é o caso dos hormônios que regulam o organismo e entram em ação conforme a necessidade. O sono permite justamente a oportunidade de limpeza.

Quando a pessoa não dorme adequadamente, o intestino, que separa os nutrientes do bolo alimentar para passá-los à corrente sangüínea, fica desregulado e começa a aproveitar mais dos alimentos do que deveria - causa do colesterol alto, da obesidade, etc. Ou ao contrário, não aproveita corretamente os nutrientes necessários, que passam por ele muito depressa.

Orientações para uma noite de sono melhor:

Manter uma regularidade no horário: Manter o relógio biológico em ordem - um esquema regular é a melhor maneira de assegurar noites perfeitas;

Eliminar estimulantes: Cafeína de qualquer natureza (café, refrigerante, medicamentos) quando ingerida seis a oito horas antes do momento de se deitar pode tornar o sono difícil, diminuir o sono profundo e aumentar os despertares noturnos;

Dormir numa boa cama: É menos provável que uma pessoa tenha um sono profundo, contínuo e repousante sobre uma cama muito pequena, muito macia, muito dura ou muito velha;

Não fumar: A nicotina é um estimulante mais forte do que a cafeína.

Os fumantes demoram mais para dormir e acordam mais freqüentemente;

Beber somente com moderação: O álcool no final da noite pode suprimir o sono profundo e acelerar as mudanças entre os estágios do sono;

Pôr de lado as preocupações ou os planejamentos de tempo à noite: O sono é melhor quando a ansiedade, as preocupações e as possíveis soluções são administradas antes do momento de ir deitar;

Não ir para a cama com o estômago cheio demais ou muito vazio: Uma grande refeição à noite força o sistema digestivo a trabalhar durante um período mais prolongado, levando a agitação e a movimentação durante a noite. Ir para a cama faminto também interfere no sono;

Exercitar-se regularmente: o exercício melhora o sono ao eliminar as tensões que são acumuladas durante o dia, permitindo que o corpo e a mente relaxem.

Mas atenção: não pratique atividades intensas imediatamente antes do horário de dormir, mas até o final da tarde ou começo da noite.

O sono é a chave da vitalidade, da disposição, da energia e do bom humor.

Se você não dorme bem, não pode querer fazer o corpo trabalhar, porque o esforço não trará resultados.

Você só perderá energia e correrão riscos, porque não houve o repouso da "máquina orgânica".




O sono e a corrida


Você tem problemas para dormir a noite? Acha difícil relaxar e cair no sono depois de um dia movimentado? Caso tenha problemas para dormir, não está sozinho. De acordo com o "National Commission on Sleep Disorders Research", mais de 40 milhões de americanos têm problemas crônicos de sono, e mais de 20 milhões já experimentaram um período com insônia. A maioria dos corredores acredita que o treinamento proporciona melhor sono (parecemos que estamos prestes a cair no sono na maioria do tempo). Porém, há evidência científica de que atividade física melhore a quantidade e qualidade de nosso sono?


Um estudo sobre exercícios físicos e sono, conduzido na Finlândia, descobriu que 43% dos estudados que exercitaram-se por mais de 3 meses anteriores relataram melhora no sono e somente 1% tiveram detrimento no sono. Além disso, 30% dos estudados que reduziram seus exercícios físicos por mais de 3 meses anteriores relataram redução na quantidade e piora na qualidade do sono, enquanto apenas 4% relataram melhora no sono. Esses resultados certamente apóiam a noção que maior quantidade de atividade física leva à melhoria no sono. Essa evidência deve ser interpretada com cautela, entretanto, já que não sabemos se foi o exercício que melhorou o sono, ou se foi a melhoria no sono que fez essas pessoas quererem praticar mais atividades físicas.

Um recente estudo, comparou os hábitos de sono de corredores de fundo treinados (média de 72 km/semana), levantadores de peso dedicados (12 horas/semana), e sedentários. Os corredores caíram no sono mais rápido depois de irem para a cama e tiveram um sono profundo de maior duração do que os indivíduos dos outros 2 grupos. Em outras palavras, os corredores tiveram um sono mais eficiente, o qual é a taxa da quantidade de tempo que você dorme pelo total de tempo que está na cama. Então, se você tem um sono eficiente, pode descansar em paz sabendo que recuperará algum tempo que gastou correndo ao levar menos tempo para cair no sono.

Como exercício físico promove a melhora no sono?
 
Ninguém sabe ao certo, porém o mecanismo pode ser uma alteração no equilíbrio entre a atividade do sistema nervoso de simpático e parassimpático. Estimulação do sistema nervoso simpático eleva os batimentos cardíacos, pressão sangüínea, taxa metabólica e atividade mental, e tudo isso é contra-produtivo para dormir. Atividade parassimpática tem efeito oposto. Durante a corrida a atividade simpática aumenta, porém o treinamento de resistência leva à diminuição da atividade simpática e relação à parassimpática quando não está exercitando-se. Essa alteração no equilíbrio das atividades simpática e parassimpática pode nos permitir cair no sono mais rapidamente e dormir mais profundamente. Correr muito perto da hora de ir para a cama, porém, pode deixar o sistema nervoso simpático estimulado por várias horas, o que torna mais difícil cair no sono.
 
Sono e overtraining
 
No extremo final do espectro de exercícios, evidências não comprovadas cientificamente sugerem que overtraining interfere com o sono. De volta aos meus dias de maratonista, lembro de estar deitado na cama às 3 da madrugada exausto do treinamento intervalado do dia anterior e pensando sobre os 32 km do dia seguinte. O estresse físico e psicológico de treinar acima do seu limite pode estimular o sistema nervoso central, levando à irritabilidade e redução da qualidade e quantidade de sono. De fato, uma mudança nos hábitos de sono é um sinal de alerta antecipado de overtraining.
 
A redução do sono é uma faca de dois gumes para o corredor porque grande parte da recuperação e reconstrução do organismo acontece enquanto dormimos. Se você treina forte, precisa ser particularmente cuidadoso em relação a dormir adequadamente, ou poderá ter declínio na performance, depressão do sistema imunológico, e ficar mais susceptível a lesões. Se você dorme bem a maior parte do tempo, porém, não terá que preocupar-se caso tenha problemas para dormir na noite anterior à competição. Não há evidência de que uma única noite de sono ruim prejudique a performance.
Quando você tem dificuldade incomum para dormir, poderá estar treinando forte muito freqüentemente. Você poderá melhorar seu sono facilmente ao pegar mais leve no treinamento e não correr muito tarde no dia. Quanto mais forte for o exercício físico, maior será o estímulo ao seu sistema nervoso, então diminuir a intensidade dos treinos irá provavelmente beneficiar seu sono mais do que diminuir o volume de treinamento. Além disso, se você estiver tendo problemas para dormir, veja se pode identificar qualquer outro fator não relacionado à corrida que poderia contribuir para a sua insônia. Seu novo chefe ou aquela super-taça de sorvete antes de ir para a cama podem ser os culpados. Sonecas também interferem com uma boa noite de sono. Tirar uma soneca pode colocá-lo num ciclo de dificuldade de cair no sono a noite, cochilar de tarde, e então ter problemas para dormir na noite seguinte.
 
Para melhorar seus padrões de sono, desenvolva e siga uma rotina que funcione para você. A mente e corpo adoram rotinas. Jantar e ir para a cama no mesmo horário aproximado todos os dias irá ajudar o relógio do seu organismo, então seu corpo e mente automaticamente desligarão no mesmo horário cada noite. Evite luzes fortes à noite e abstenha-se de ir para a cama até que esteja pronto para dormir. Então, quando você se deitar, esse será outro sinal para descansar sua mente para dormir.
 

 BONS TREINOS E  BONS SONHOS A TODOS !!!!!

sábado, 26 de março de 2011

CREATINA E ESPORTE

Creatina é umas das substâncias mais utilizadas hoje no mundo esportivo. Acredita-se que é capaz de melhorar o rendimento, portanto se tornando muito popular.


Os efeitos se baseiam no aumento da força e da velocidade em esportes no qual a fonte de energia é Alática, ou seja sem a presença de oxigênio.

Há 3 aminoácidos envolvidos na síntese de Creatina, a arginina, a glicina e a metionina. Além da síntese endógena, a Creatina também é encontrada na dieta mista, em peixes, carnes e outros produtos animais. Em média cada quilo de carne tem de 3 a 5 gramas de Creatina.

Um indivíduo que pesa 70kg armazena cerca de 120g de Creatina, sendo que 95% armazenada no músculo esquelético. A excreção diária média da Creatina está em torno de 2g, na urina.

Apesar de obtermos Creatina pela alimentação, seria muito difícil atingir mais de 3 a 4 gramas por dia, onde o grande consumo de carnes, levaria inevitavelmente ao aumento de gorduras saturadas e colesterol.

Na suplementação, a estratégia mais usada é uma dose de carga correspondente a um total de 20 a 30g de Creatina por dia, de Creatina monoidratada. Divididas em 4 a 6 doses de 5g. Por 5 a 7 dias.
Depois, reduzir a dose de 2 a 5 g/dia, como dose de manutenção por 28 dias. Após isso, dar uma parada de no mínimo 3 meses, antes de iniciar nova dose de carga.

Outros autores sugerem doses menores de Creatina, onde a mesma possa ter igualmente o efeito em relação a clássica dose de carga. 5 g de Creatina durante 10 semanas.

Estudos demonstram que, combinando Creatina com carboidrato simples, como a glicose, ocorre aumento no armazenamento de Creatina no músculo em até 60%. Provavelmente esse efeito é mediado pela ação da insulina. Em geral 5 gramas de Creatina com 35 a 90 gramas de carboidrato associados.

Já a cafeína parece exercer efeito contrário ao do carboidrato no que diz respeito ao armazenamento de Creatina. Estudos demonstram que o consumo de Creatina com cafeína interferiu de maneira negativa no efeito da suplementação de Creatina sobre o aumento das concentrações musculares, logo não houve aumento da performance.

Especula-se que em esportes que requerem sucessivos movimentos de alta intensidade e curta duração(futebol, basquete, hóquei e tênis), incluindo logicamente provas de atletismo de 50 e 100 metros por exemplo.

A Creatina promove aumento de massa corporal magra, aumento de força e recuperação entre esforços repetidos de alta intensidade, segundo diversos estudos mundias

Apresentação da Creatina em comprimido, pó, jujuba e líquida.

Efeitos colaterais apontados com maior frequência, são o aumento de massa corporal total e diarréia. Câimbra também foram relatadas naqueles atletas que treinam intensamente e sob elevadas temperaturas.

Em relação aos aspectos legais e éticos, até hoje, a Creatina não aparece na lista das substâncias banidas pelo Comitê Olímpico Internacional(COI).

FRASES DO ESPORTE : Lance Armstrong

Lance Armstrong

"A dor é temporária. Ela pode durar um minuto, ou uma hora, ou um dia, ou um ano, mas finalmente ela acabará e alguma outra coisa tomará o seu lugar. Se eu paro, no entanto, ela dura para sempre"

quinta-feira, 24 de março de 2011

Estresse

Na segunda quinzena de julho, o mundo surpreendeu-se com a notícia de que a espaçonave russa, a estação espacial Mir (paz), ficara sem energia por uma ordem errada do comandante Vladimir Tsibliev. O médico, que cuida dos tripulantes, Igor Goncharov, explicou, com a maior naturalidade, que o engano fora resultante do estresse do comandante. Nunca a palavra estresse ganhou tamanha notoriedade em circunstâncias tão dramáticas.


E o que é estresse?

Não há ainda uma definição para o mesmo nos compêndios de patologia médica. É o dicionário Aurélio que nos diz que o estresse (em bom português) é "o conjunto de reações do organismo a agressões de ordem física, psíquica, infecciosa, e outras capazes de perturbar a homeostase" (equilíbrio).

Hoje o termo estresse é amplamente usado na linguagem atual e nos meios de comunicação. Designa uma agressão, que leva ao desconforto, ou as conseqüência desta agressão. É uma resposta a uma demanda, de modo certo ou errado.

O estresse corresponde a uma relação entre o indivíduo e o meio. Trata-se, portanto, de uma agressão e reação, de uma interação entre a agressão e a resposta, como propôs o médico canadense Hans Selye, o criador da moderna conceituação de estresse. O estresse fisiológico é uma adaptação normal; quando a resposta é patológica, em indivíduo mal-adaptado, registra-se uma disfunção, que leva a distúrbios transitórios ou a doenças graves, mas, no mínimo agrava as já existentes e pode desencadear aquelas para as quais a pessoa é geneticamente predisposta. Aí torna-se um caso médico por excelência. Nestas circunstâncias desenvolve-se a famosa síndrome de adaptação, ou a luta-e-fuga (fight or flight), na expressão do próprio Selye.

Segundo a colocação dada ao estresse por este autor, num congresso realizado em Munique, em 1988, "o estresse é o resultado do homem criar uma civilização, que, ele, o próprio homem não mais consegue suportar".

 E, em se calculando que o seu aumento anual chega a 1%, e que hoje atinge cerca de 60% de executivos (veja uma pesquisa anexa), pode-se chamar de a "doença do século" ou, melhor dizendo, " "a doença do terceiro milênio". Trata-se de um sério problema social econômico, pois é uma preocupação de saúde pública, pois ceifa pessoas ainda jovens, em idade produtiva e geralmente ocupando cargos de responsabilidade, imobilizando e invalidando as forças produtivas da nação; e é mais importante ainda no Brasil que, por ser um país ainda jovem, exclui da atividade pessoas necessárias ao seu desenvolvimento. Não se sabe exatamente a incidência no Brasil, mas nos
Estados Unidos gastam-se de 50 a 75 bilhões de dólares por ano em despesas diretas e indiretas: isto dá uma despesa e 750 dólares por ano por pessoa, que trabalha.

A vulnerabilidade hereditária, mais a preocupação com o futuro, num tempo de incertezas, de um o país que estabiliza a moeda, mas aumenta o número de desempregados, ao mesmo tempo em que a qualidade de vida piora, existem os medos do envelhecimento em más condições, e do empobrecimento, além de alimentação inadequada, pouco lazer, a falta de apoio familiar adequado e um consumismo exagerado. Todos são fatores pessoais, familiares, sociais, econômicos e profissionais, que originam a sensação de estresse e seu conseqüente desencadeamento de doenças, de uma simples azia à queda imunológica, que pode predispor infeções e até neoplasias.

A Universidade de Boston elaborou um teste rápido e auto-aplicável (anexo), onde você pode "medir" o nível de seu estresse. Se você passou incólume, pare de ler o artigo. Mas, se você se "encontrou" nos ítens apontados, mesmo em nível baixo, siga cuidadosamente a exposição.




O Que Provoca o Estresse ?


São os grandes problemas da nossa vida que, de modo agudo, ou crônico, nos lançam no estresse. Diversos pesquisadores notaram que a mudança é um dos mais efetivos agentes estressores. Assim, qualquer mudança em nossas vidas tem o potencial de causar estresse, tanto as boas quanto as más. O estresse ocorre, então, de forma variável, dependendo da intensidade do evento de mudança, que pode ir desde a morte do cônjuge, o índice máximo na escala de estresse, até pequenas infrações de trânsito ou mesmo a saída para as tão merecidas férias.
Certos eventos em nossas vidas são tão estressantes, que caracterizam a situação de trauma (lesão ou dano) psíquico. Recentemente as ciências mentais reconheceram uma nova síndrome, batizada de Distúrbio de estresse pós-traumático, uma verdadeira doença, pertencente ao estudo da angústia. Tornou-se bem sistematizada a partir da volta dos "viet-vets", ou veteranos da guerra do Vietnam. Esta doença ocorre com quadros agudos de angústia, grave e até invalidante, quando a ex-vítima é exposta a situações similares, tornando a desencadear todos os sintomas ansiosos severos, que conheceram durante a violência a que estiveram submetidos: são os "flash-backs", que revivenciam as situações traumatizantes.
Isto não é aplicado apenas a veteranos de guerra; vejam-se os crescentes índices de violência urbana e as suas vítimas, que vivem quadros de desespero permanente, quando não atendidos adequadamente em serviço psiquiátrico de reconhecida competência na área. Bombas, acidentes automobilísticos ou aéreos, desabamentos, assaltos com extrema violência, sequestros prolongados, estupros, etc. são causas comuns do distúrbio de estresse pós-traumático. O tratamento costuma ser demorado, mas tende a um bom prognóstico.


Quais São as Bases Funcionais do Estresse ?

Da Silva, um cirurgião americano do século passado, foi o primeiro a perceber que soldados feridos só caíam prostrados após alcançarem a meta: isto é, lutavam ainda sob efeito de 'adrenalina'. O fisiologista Walter Cannon observou que as reações alerta/luta e fuga em animais desencadeavam um maciço aumento das catecolaminas urinárias (substâncias decorrentes do metabolismo da adrenalina).
O cientista que estudou pela primeira vez o estresse, Hans Selye descreveu uma resposta fisiológica generalizada ao estresse, caracterizada pela seguinte seqüência:
  • A percepção de um perigo eminente ou de um evento traumático é realizado pela parte do cérebro denominado córtex; e interpretado por uma enorme rede de neurônios que abrange grandes partes do encéfalo, envolvendo, inclusive, os circuitos da memória;
  • Determinada a relevância do estímulo, o córtex aciona um circuito cerebral subcortical, localizado na parte do cérebro denominada sistema límbico, através das estruturas que controlam as emoções e as funções dos sistemas viscerais (coração, vasos sanguíneos, pupilas, sistema gastrointestinal, etc.) através do chamado sistema nervoso autônomo. Estas estruturas são a amígdala e o hipotálamo, principalmente. A ativação dessas vias vai causar alterações como dilatação pupilar, palidez, aceleração e aumento da força das batidas cardíacas e da respiração, erecção dos pelos, sudorese, paralisação do trânsito gastrointestinal, secreção da parte medular das glândulas adrenais (adrenalina e noradrenalina), etc.; e que constituem os sinais e sintomas da ativação tipo luta-ou-fuga descrevidos por Cannon;
  • Ao mesmo tempo, o hipotálamo comanda uma ativação da glândula hipófise, situada na base do cérebro, com a qual tem estreitas relações. No estresse, o principal hormônio liberado pela hipófise é o ACTH (o chamado hormônio do estresse), que, carregado pelo sangue, vai até a parte cortical (camada externa) das glândulas adrenais (situadas sobre os dois rins), e provocando um aumento da secreção de hormônios corticosteróides. Estes hormônios têm amplas ações sobre praticamente todos os tecidos do corpo, alterando o seu metabolismo, a síntese de proteinas, a resistência imunológica, as inflamações e infecções provocadas por agressões externas, etc. O seu grau de ativação pode ser avaliado medindo-se a quantidade de cortisol no sangue.
  • Essa descarga dupla de agentes hormonais de intensa ação orgânica: de um lado a adrenalina, pela medula da adrenal, e de outro, os corticóides, pela sua camada cortical, levaram os cientistas a caracterizar essas glândulas como sendo o principal mediador do estresse.
Essas respostas são normais em qualquer situação de dano, perigo, doença, etc. Assim, dizemos que existe um certo nível de estresse que é normal e até importante para a defesa do organismo, ao qual denominamos de eustress. O perigo para o organismo passa a ocorrer quando a ativação do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal se torna crônico e repetido. Nesse momento, começam a surgir as alterações patológicas causadas pelo nivel constantemente elevado desses hormônios.
Assim, reconhece-se que o estresse tem três fases, que se sucedem quando os agentes estressores continuam de forma não interrompida em sua ação:
  • A fase agudaEsta é a fase em que os estímulos estressores começam a agir. Nosso cérebro e hormônios reagem rapidamente, e nós podemos perceber os seus efeitos, mas somos geralmente incapazes de notar o trabalho silencioso do estresse crônico nesta fase.
  • A fase de resistênciaSe o estresse persiste, é nesta fase que começam a aparecer as primeiras conseqüências mentais, emocionais e físicas do estresse crônico. Perda de concentração mental, instabilidade emocional, depressão, palpitações cardíacas, suores frios, dores musculares ou dores de cabeça freqúentes são os sinais evidentes, mas muitas pessoas ainda não conseguem relacioná-los ao estresse, e a síndrome pode prosseguir até a sua fase final e mais perigosa:
  • A fase de exaustãoEsta é a fase em que o organismo capitula aos efeitos do estresse, levando à instalação de doenças físicas ou psíquicas.

Problemas Causados pelo Estresse

O estresse pode ser causador e/ou agravador de uma série de doenças, que vão da asma, às doenças dermatológicas, passando pelas alérgicas e imunológicas; todas elas relacionadas de alguma forma à ativação excessiva e prolongada do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal.
Na área do sistema digestivo, é sabido por todos que o estresse pode desencadear desde uma simples gastrite, até uma úlcera: o famoso cirurgião Alípio Corrêa Neto, da USP e da Escola Paulista de Medicina (hoje Universidade Federal de São Paulo), dizia que se alguém afirmasse, há 20 anos atrás, que a úlcera péptica era psicossomática (leia-se somatoforme), ririam dele; hoje, se deixasse de dizê-lo, ririam dele.
Mas, é principalmente a nível de coração, ou mais precisamente, a nível das coronárias, que o estresse pode ser um matador silencioso.
Uma ativação repetida e crônica do sistema nervoso autônomo, numa pessoa que já tenha problemas de lesão da camada interna das arterias coronárias (aterosclerose), provocadas por fumo, gordura excessiva na alimentação, obesidade ou colesterol elevado, etc., vai levar a muitos problemas, tais como:
  • diminuição do fluxo sangüineo adequado para manter a oxigenação dos tecidos musculares cardíacos (miocárdio). Isso leva à chamada isquemia do miocárdio, que é acompanhada de dores no coração (angina), principalmente quando se faz algum esforço, e até ao infarto do coração (ataque cardíaco), provocado pela morte das células musculares do coração, por falta de oxigênio. A adrenalina tem o poder de contrair esses vasos, agravando o problema de quem já os tem com o diâmetro reduzido pelas placas. O resultado para essas pessoas pode ser até a morte, que muitas vezes acompanha um estresse agudo.
  • Outros problemas comuns são a ruptura da parede dos vasos enfraquecidos pela placa aterosclerótica, ou a trombose (entupimento completo do vaso coronariano). Um pequeno coágulo (trombo) pode desencadear uma cascata de coagulação, que também pode levar à morte. O nível elevado de adrenalina também pode provocar alterações irregulares do ritmo cardíaco, denominadas de arritmias ("batedeira"), que também diminuem o fluxo de sangue pelo sistema cardiovascular.

Outros sintomas


No campo clínico (somático) os distúrbios ainda ditos 'neuro-vegetativos' são comuns: quadro de astenia (sensação de fraqueza e fadiga), tensão muscular elevada com cãibras e formação de fibralgias musculares (nódulos dolorosos nos músculos dos ombros e das costas, por exemplo), tremores, sudorese (suor intenso), cefaléias tensionais (dores de cabeça provocas pela tensão psíquica) e enxaqueca, lombalgias e braquialgias (dores nas costas e nos ombros e braços), hipertensão arterial, palpitações e batedeiras, dores pré-cordiais, colopatias (distúrbios da absorção e da contração do intestino grosso) e até dores urinárias sem sinais de infecção.
O laboratório clínico fornece outros detalhes indicativos da intensa ativação patológica no estresse: aumento da concentração do sangue e do conteúdo de plaquetas (células responsáveis pela coagulação sangüínea), alteração do nível de cortisol, alterações de catecolaminas urinárias e alterações de hormônios hipofisários e sexuais, além dos aumentos de glicemia (açucar no sangue) e colesterol, este por conta do LDL, ou o 'mau colesterol'.

Sintomas psíquicos

Nas ocasiões estressantes, e mesmo fora delas, manifesta-se uma gama de reações de ordem psicológica e psiquiátrica. Ou, pelo menos temporárias, perturbações de comportamento ou exacerbação de problemas sociopáticos.

Os problemas ansiosos com a sintomatologia clínica, além de irritabilidade, fraqueza, nervosismo, medos, ruminação de idéias, exacerbação de atos falhos e obsessivos, além de rituais compulsivos, aumentam sensivelmente. A angústia é comum e as exacerbações de sensibilidade com provocações e discussões são mais freqüentes.

Do ponto de vista depressivo, a queda ou o aumento do apetite, as alterações de sono, a irritabilidade, a apatia e adinamia, o torpor afetivo e a perda de interesse e desempenhos sexuais são comumente encontrados.
Existem também as "fugas", que todos conhecemos. Quando não se apela para a auto-medicação com ansiolíticos (um perigo!), a pessoa refugia-se na bebida e mesmo no consumo de drogas ilícitas de uso e abuso, além de aumentar a quantidade de cigarros fumados, quando for fumante.
São estas as condições da derrocada à qual o estresse leva a pessoa, principalmente quando esta tiver uma personalidade hiperativa.

Como Diminuir o Estresse ?

Em um excelente artigo sobre estresse, principalmente no trabalho (e a maior parte de nós trabalha), o psiquiatra Cyro Masci sugere medidas profiláticas iniciais, secundárias e terciárias. Mas, em resumo, quando possível, devemos parar para pensar; para nos darmos a liberdade de termos um tempo para refletir sobre cada um de nós e seus esquemas pessoais, familiares, sociais, de trabalho, de estudos e até econômico-financeiros. Devemos reformular a vida, procurando reduzir as áreas geradoras de estresse. Um bom psiquiatra pode nos ajudar nesta tarefa.

Muitas vezes haverá a necessidade de uso concomitante de um tratamento medicamentoso, geralmente através dos modernos antidepressivos serotoninérgicos (ISRS) com ou sem ansiolíticos e/ou beta-bloqueadores por um tempo definido: começo, meio e fim.
Quando já existe um quadro orgânico instalado, desde uma simples gastrite a asma ou alteração cardiorrespiratória, a busca de atendimento clínico é fundamental. A correção da alteração clínica é imprescindível. E esta pode ir de um simples a complexo tratamento ou resumir-se somente às necessárias mudanças do modo de viver, incluindo lazer ou uma pequena prática esportiva constante (porque não uma caminhada diária?, que faz bem a qualquer um de nós).
Mas, a principal atitude ainda é um alerta ao modo de viver e de trabalhar com as vivências e com as emoções que a vida nos proporciona. E aí está verdadeira e milenar sabedoria.

quarta-feira, 23 de março de 2011

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PILOTO LUCAS FINGER



FINGER, CONTE SOBRE SUA TRAJETÓRIA NAS CORRIDAS DE VELOCIDADE , COMO TUDO COMEÇOU?

 


FINGER: Eu comecei aos 8 anos de idade no kart em Guaratinguetá com incentivo do meu pai pois ele era apaixonado por corrida. O primeiro campeonato a competir foi em Caraguatatuba e nesse mesmo campeonato conquistei meu primeiro titulo.

Depois de um ano correndo no vale do Paraíba e litoral, fui correr em São Paulo, sendo um ano de aprendizagem, pois era um campeonato mais competitivo. Já ano seguinte fui campeão paulista de kart.

Nos anos seguintes participei campeonatos brasileiros, pan-americano, sul-brasileiro etc sendo vice-campeão brasileiro, vice pan-americano e duas vezes campeão sul-brasileiro e melhor brasileiro no campeonato mundial de kart em Dubai (6 lugar campeonato mundial).


COMO VOCÊ VÊ A TEMPORADA 2011 , ESTÁ MUITO ANSIOSO POR ESTA NOVA ETAPA?

 

FINGER:Esse ano devo correr na categoria GT4, o carro será uma Ferrari 433 é um carro muito bom de guiar pois existe uma grande tecnologia nesse carro. Sem duvida estou bem ansioso, pois é um carro que nunca corri.


COMO FUNCIONA SEUS TREINAMENTOS NA PISTA DURANTE A TEMPORADA?  VOCÊ FAZ OUTRO TIPO DE  TREINAMENTO   COMPLEMENTAR PARA SUPERAR O DESGASTE NAS PROVAS ?


FINGER:Nessa categoria os treinos são somente na semana das corridas pois o gasto é muito grande para fazer esse treinos com isso a categoria proíbe fazer esses treinos. Na parte física faço um trabalho muito forte na academia Eliane Indiane fazendo exercícios e movimentos bem semelhantes da corrida exemplo pescoço e anti-braço.


QUAL A MENSAGEM QUE VOCÊ DEIXA EM RELAÇÃO AO ESPORTE EM GERAL E PARA AQUELES QUE PENSAM EM COMEÇAR UM ESPORTE ?

FINGER:O esporte sem duvida é muito bom para todo nós então é importante desde sedo começar a praticar algum exercício físico. O esporte à motor sem duvida é maravilhoso mas existem alguns pontos negativos na parte de incentivos fiscais pois sem isso é muito difícil de captar todo o valor para correr sendo um esporte de altíssimo valor, mas não tenho como explicar a melhor coisa é estourar uma champanha no pódio.



segunda-feira, 21 de março de 2011

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...