quinta-feira, 31 de maio de 2012

Corrida, dieta e determinação


Muitos pensam que correr mais e comer menos é garantia de perda de peso. Mas essa fórmula pode ser bem perigosa e nem sempre dá resultado: “Não devemos fazer mágica, como começar a correr e restringir demais a alimentação. Isso pode levar a mal-estar e hipoglicemia — falta de açúcar na corrente sanguínea — durante o exercício. Com esta febre de cortar carboidratos ficam ainda mais comuns as ocorrências de mal-estares desse tipo. É preciso fracionar a alimentação, comer a cada três horas, mas moderadamente”.

Treinar rigorosamente e manter uma alimentação balanceada durante a semana não serão atitudes suficientes se, nos fins de semana, o corredor ignorar todo o trabalho dos cinco dias anteriores. Lancha recomenda autocontrole e diz que saber escolher é o caminho para não exagerar no sábado e domingo: “É preciso ser mais comedido nos fins de semana porque, se deixar, as pessoas começam exagerando no café da manhã e assim vão até o jantar, perdendo todo o esforço da semana. Pode-se escolher uma refeição por dia do sábado ou do domingo para comer sem se preocupar. Nessa fase a pessoa precisa começar a aprender a fazer escolhas, do tipo: vou tomar vinho ou comer sobremesa? Vou atacar o pão de queijo do couvert ou pedir um prato mais calórico?”. 

Maior desafio, melhor alimentação

O organismo de uma pessoa que pratica corrida precisa de mais nutrientes do que o de uma pessoa sedentária. Isso porque, durante a prática do exercício, esses nutrientes extras é que vão garantir que o corpo suportará o esforço realizado e é para isso que a dieta do corredor deve estar direcionada.

“A melhor forma de emagrecer correndo é fazer uma dieta apropriada e aliada ao treinamento, para que a pessoa consiga treinar sem ficar debilitada”, diz a treinadora Juliana Gomes, lembrando que uma dieta pobre pode causar diminuição no rendimento do corredor, o que desmotiva qualquer um a continuar correndo.

A nutricionista esportiva Maria Luisa Belotto lembra: “A alimentação do corredor deve ser rica e diversificada, sempre atrelada a bom senso para compor uma refeição com todos os nutrientes”, conforme ela detalha a seguir: 

:: Carboidratos: encontrados no pão, arroz, macarrão e raízes. 
:: Proteínas: ingestão de carnes de todos os tipos, leite e ovos. 
:: Fibras: vitaminas e minerais, encontrados em frutas, verduras, legumes e hortaliças.
:: Gorduras: presentes nas carnes e alimentos oleaginosos, como castanhas.

Sem disciplina não há resultado

Se o objetivo é emagrecer, a dieta e a assiduidade aos treinos devem ser encaradas com a mesma seriedade, caso contrário os resultados não vão aparecer. A relação dos treinos de corrida com a alimentação adequada é fundamental para que o corredor evolua na corrida e, consequentemente, queime mais calorias. 

“Não dá para querer resultados sem abrir mão de alguns hábitos”, ressalta o treinador carioca Iazaldir Feitosa. Além de criar o costume de se alimentar melhor, estar determinado a cumprir suas metas é fundamental. “Se a pessoa quer emagrecer, ela tem de ter isso em mente. Atingir um objetivo é muito mais emocional, determinação e disciplina do que simplesmente querer”. 

Determinação também significa estar disposto a realizar o treino adequado. Se um corredor coloca sua meta de emagrecimento em segundo plano e falta aos treinos ou não segue sua planilha, todo o trabalho já realizado será perdido. 

 “Se uma pessoa falta ao treino, o gasto calórico que ela teria naquele dia não vai ocorrer, mas ela continuará comendo e isso pode atrasar o resultado. Ao mesmo tempo, se ela falta a um treino e tenta compensar no dia seguinte, pode acabar se lesionando, porque vai treinar dois dias seguidos, sem descanso”. Portanto, respeitar os dias de treino e de descanso é imprescindível.

Perder peso e ganhar desempenho

Existe um consenso entre os treinadores que é o de que, quando o corredor que estava acima do peso começa a emagrecer, automaticamente seu desempenho na corrida aumenta. A treinadora Juliana acredita que emagrecer e aumentar o desempenho são coisas complementares. “É uma consequência, pois com o treinamento para emagrecer o corredor fica motivado, já que está perdendo peso e, a partir daí, quer aumentar sua performance.” 

Quando o corredor já realiza um treino de corrida para emagrecer, a perda de peso só continuará ocorrendo se os treinos forem intensificados. Isso porque o organismo se acostuma ao esforço e é preciso dar um novo estímulo para que ele continue queimando gordura: 

Quando a pessoa é iniciante, só o aumento gradativo do volume de treino já é suficiente para que ela perca peso e isso aumenta o desempenho. Quanto mais ela perde peso, melhor será o rendimento na corrida.

Os treinos voltados para a melhoria do desempenho são os que mais surtem efeito. “Treinos feitos com o foco no desempenho podem emagrecer mais, principalmente quando traçamos objetivos a médio e longo prazo, aumentando a intensidade e o trabalho de corridas em subidas.”

 

EM ALGUM LUDAR DO MUNDO CORRENDO .

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Os 10 Mandamentos da Motivação




1. Não seja um procrastinador:

Não adie as tarefas de hoje. Também não adie suas decisões. Faça isso por você. Evite acumular afazeres, pois alguns tentam dedicar-se a muitas coisas ao mesmo tempo, além de estressante é um convite para o fracasso.

2. Comece algo e termine:

Lembro-me de uma ocasião em que passei algumas horas escrevendo um artigo e o computador “travou”. Perdi tudo {não fiquei nada feliz}. Eu havia começado, mas o final era a minha motivação. Se você começar algo, termine, a menos que o sentimento de frustração seja bom pra você.

3. Confie em você mesmo:

Ao atender centenas de pessoas e empresas, detectei diversos casos em que sobrava capacidade, mas faltava confiança. Há ocasiões que o segredo do êxito é apenas “confiar no seu taco” e ter “bala na agulha”. A PNL nos ensina ao dizer que: “Todos possuem os recursos que necessitam, basta acessá-los”. Fale em alta voz: Sim, eu posso... Eu me permito... Eu vou.

4. Valorize o que realmente importa:

Defina suas metas, suas prioridades e valores. Equilibre seu tempo, não viva só para o trabalho, por exemplo. Desfrute de momentos felizes ao lado de seus familiares. Pratique atividades físicas, leia bons livros, ouça boas músicas, exercite a sua fé.

5.Tenha grandes planos:

Você quer ser grande? Ande com os grandes? Quer ter grandes realizações e um grande sucesso? Tenha objetivos e metas, e corra atrás... Não seja medíocre!

6. Agradeça sempre:

Pense nisso: “Sempre reclamei dos meus sapatos, até que um dia, ao dobrar uma esquina, avistei um homem sentado sem os dois pés.” Reveja seus conceitos de necessidades.

7. Ame-se MUITO:

O maior amor que podemos sentir é o amor próprio. Este sentimento profundo a cerca de nós mesmos nos fará amar incondicionalmente o próximo e o Arquiteto do Universo.

8. Não tenha medo de fracassar:

O fracasso é uma ação, não é uma pessoa... É apenas uma oportunidade de fazer diferente, de recomeçar de outra forma, portanto, mesmo que você caia, levante-se com classe, se cair, caia com classe e saiba que os tombos te ensinarão novas manobras.

9. Seja disciplinado:

Nem sempre é possível fazer o que se quer. Nem todos ganham o quanto gostariam ou fazem o que sabem e/ou amam. Disciplina é plantar pra colher, só que o plantio é árduo. A disciplina transformou um camelô num dos maiores empreendedores do mundo.

10. Persista, persista, persista...

Olhe para seu alvo, fixe os olhos nele e prossiga até tocá-lo. Será fácil? É bem provável que não, mas ainda que você seja surrado, não seja nocauteado. Fomos criados para sonhar e são eles {os sonhos} que abastecem a nossa alma. Não venda os seus sonhos, não desista deles, não deixem roubá-lo de você. L.U.T.E. S.E.M.P.R.E!

GANHADOR PROMOÇÃO RUNNIGFORWORLD / KIT MONTAIN DO + SPORTS DO .

ROBERTO  , PARABÉNS !


                     ÓTIMAS CORRIDAS !











CONSULTORIA ESPORTIVA - TAUBATÉ

domingo, 27 de maio de 2012

Treinamento em baixas temperaturas



O treinamento físico em ambiente frio requer alguns cuidados para um bom desempenho. Alguns poderiam até perguntar se não seria um absurdo treinar em um dia muito frio, contudo, levando-se em consideração alguns aspectos específicos do ambiente que a pessoa irá treinar, não há maiores problemas.

O clima de inverno representa um risco para a saúde menos imediato que o de verão. Muitas pessoas evitam totalmente o frio, exercitando-se em ambientes fechados durante o inverno. Porém, aquelas que decidem continuar com o exercício ao ar livre não costumam correr um grande risco, pois o exercício faz com que o corpo gere grandes quantidades de calor. 

Um cuidado importante que as pessoas devem tomar durante treinamento físico no frio é quanto à exposição prolongada em tal ambiente. A hipotermia (temperatura corporal central abaixo do normal) é o grande risco que um atleta pode ser acometido. As baixas temperaturas ambientes favorecem a perda de calor corporal e o vento pode acelerar essa perda. 

A água possui uma capacidade térmica muito mais alta que o ar. Se a roupa torna-se úmida em virtude de suor ou de chuva, o risco de hipotermia pode ser drasticamente aumentado, em especial quando o exercício é encerrado e declina a produção de calor metabólico. Quando a roupa torna-se úmida, seu valor isolante fica comprometido e a umidade da pele facilita a perda de calor por condução, convecção e evaporação.

Durante a realização de um treinamento físico em um dia muito frio, a pessoa deve levar em consideração alguns aspectos: 

• Antes do alongamento, realizar uma caminhada em ritmo leve a moderado e com movimentação de braços e pernas em vários sentidos por aproximadamente 5 a 10 minutos; 

• Após a realização do alongamento e aquecimento, incluir um período inicial na sua corrida com o desenvolvimento de um ritmo um pouco mais leve que nos dias quentes, pois o organismo terá um processo mais gradativo de aquecimento e preparação para o ritmo ideal de corrida do dia; 

• Não esquecer da hidratação adequada, pois, em dias quentes, fica mais fácil de perceber a necessidade de ingerir líquidos durante a corrida, contudo, durante o frio, a temperatura baixa e o vento podem enganar o corredor; 

• O atleta também deve tomar muito cuidado após o treino, pois sua temperatura abaixa rapidamente e não é indicado estar vestindo ainda a sua roupa úmida do treino; 

• O alongamento pós-treino também é muito importante para evitar contraturas e lesões nos treinos seguintes, contudo, é recomendado que seja realizado com o corpo ainda aquecido da corrida.

Através dessas medidas, o atleta poderá continuar realizando seu treinamento físico de forma saudável e equilibrada e, principalmente, respeitando as características de seu organismo e do meio ambiente no qual está treinando.

Esportes de neve na América do Sul a temporada vai começar .

Com a temporada de neve na América do Sul se aproximando, surge a grande dúvida para os brasileiros: "Qual estação de ski escolher?". As estações de ski se consistem em completos centros de lazer, onde há muitas opções de entretenimento para turistas de diversos perfis e idades. Aqui na América do Sul dispomos de diversos e excelentes centros de ski, para todos os gostos, distribuídas entre o Chile e a Argentina, envoltos pelas deslumbrantes paisagens da Patagõnia e da Cordilheira dos Andes.
Confira o MINI GUIA que montamos comparando os principais diferenciais de cada estação:
  
ESTAÇÕES DE SKI DA ARGENTINA
  
Cerro Catedral – Bariloche
Sendo a mais antiga e tradicional estação de ski da América do Sul, o Cerro Catedral é a opção adequada para quem deseja praticar esportes de neve, contemplar uma bela paisagem, fazer passeios de ecoturismo e curtir uma charmosa cidade­resort, com restaurantes elegantes, bares agitados, deliciosas chocolatarias e muitas lojas.Há tanto o que fazer em Bariloche que esquiar é, na verdade, apenas um programa a mais.
  
Cerro Bayo – Villa La Angostura
A estação é pequena, o que a torna mais exclusiva e elitizada, além de oferecer um atendimento impecável aos seus visitantes.
É uma excelente opção para quem quer esquiar em um ambiente mais privativo e requintado, contemplar um visual deslumbrante e fazer programas romãnticos.
  
Chapelco – San Martín de Los Andes
A vila é muito charmosa, bonita e oferece boa estrutura aos turistas, em um clima menos agitado. Boa opção para iniciantes, visto que tem uma base grande, formando uma excelente área de frenagem (o problema do esqui não é andar, é parar). Conta com uma pista longa, chamada Camino, que permite praticar sem precisar perder muito tempo no transporte (ascensão). Além disso, para se chegar nela, não se sobe em cadeirinhas, mas em confortáveis "bolhas", das quais se desce caminhando e o esqui só é colocado em seguida (diferentemente da maioria das estações, em que é preciso já descer dos meios de elevação esquiando)
  
Las Leñas
é um Resort de Alta Montanha, ou seja, um centro de ski fechado, com toda a estrutura localizada ali, de forma que é uma ótima opção para quem quer esquiar o dia todo, tendo fácil acesso às pistas e aos lifts, e badalar à noite, em um ambiente descontraído e divertido, que propicia fazer amizades. é a estação mais "cool" da América do Sul. Indicada para quem já é iniciado no esporte, uma vez que a maioria dos seus frequentadores já ultrapassou o período dos primeiros passos e que ela oferece um vasto cardápio de pistas complicadas. Oferece neve de excelente qualidade, a chamada "neve em pó", que permite ao esquiador experiente ter velocidade e controle.
  
Cerro Castor – Ushuaia
A estação fica próxima à cidade de Ushuaia, na Terra do Fogo, às margens do Canal de Beagle. ótima opção para quem procura pistas de ski de qualidade e a facilidade de se hospedar em uma cidade estruturada, que oferece passeios de ecoturismo diferenciados, noite agitada e boas compras (Ushuaia é zona franca para o comércio). Dispõe de uma altitude mais baixa que as outras estações, o que permite uma melhor condição aeróbica para quem desfruta de suas pistas. Devido à sua localização mais ao sul, é o único centro de ski da Argentina que assegura que durante os quatro meses de temporada (jun – out) haja neve do topo até a base.
  
ESTAÇÕES DE SKI DO CHILE
  
Valle Nevado
Resort de Alta Montanha, indicado para quem quer praticidade, esquiar o dia todo e aproveitar a noite, mas sem badalar até altas horas (todos querem dormir cedo para aproveitar o dia de ski).
Ideal para quem já é iniciado no esporte, oferece pistas altas, neve "em pó" de excelente qualidade, equipamentos modernos e fácil acesso às pistas, que ficam logo em frente à estrutura hoteleira.
  
El Colorado, La Parva e Farellones – Santiago
Centros de ski próximos à capital Santiago, de modo que contam com uma ampla oferta de serviços, conveniência e pistas para todo tipo de práticas, desde pistas compridas e pouco inclinadas para principiantes até pistas excelentes para quem já sabe descer a montanha.
Muitos dos chilenos que frequentam as estações são proprietários de imóveis na área, o que lhes confere um clima familiar. Suas pistas são mais vazias que em Valle Nevado.
  
 
Portillo
Boa opção para quem deseja esquiar e descansar, Portillo não costuma ficar cheia e seu ambiente é acolhedor, familiar e de exclusividade, visto que ali há apenas uma opção de hotel, com capacidade para 500 pessoas. é tida como o paraíso dos experts, visto que com as pistas mais vazia é possível arriscar mais manobras.
Oferece equipamentos modernos, como os esquis parabólicos, mais curtos, que facilitam na hora de fazer a curva.
  
Termas de Chillán
Por estar em uma região vulcãnica, além de uma estação de ski sob o conceito de Resort de Alta Montanha, Chillan é também um centro termal, que oferece toda uma estrutura para tratamento de beleza ou relaxamento. Trata­se de uma ótima opção para quem deseja esquiar, contemplar belas paisagens e descansar em um hotel estruturado e confortável. Com paisagens exuberantes e bosques lindos, Chillan conquista pela natureza, conforto e sofisticação. Lá também está localizada a pista mais extensa da América do Sul, com 12 quilõmetros de extensão – a famosa Las Tres Marias.
  
Cerro de Pucón
Situada em uma região que abriga vários parques nacionais, Pucón é um dos refúgios mais belos dos Andes e que oferece opções de passeios bastante radicais, como subidas à cratera de um vulcão ativo ou raftings. Se o esforço foi muito grande, você tem à disposição as termas naturais para relaxar. Apesar de pequena, Pucón tem vários pubs, discotecas e um luxuoso cassino, sendo ponto de encontro de esquiadores e snowboarders jovens, que depois de esquiar ainda vão badalar à noite e dançar até o amanhecer.
 
Para saber qual estação de ski que melhor se adéqua ao seu perfil e qual o melhor período para visitá­la, entre em contato com um de nossos consultores de viagens, que fornecerá todas as informações e suporte necessário para que você possa desfrutar de férias perfeitas e inesquecíveis na neve.


Vamos nos divertir , eu já fui , abraços !

quarta-feira, 23 de maio de 2012

FRASES DO ESPORTE- PROF. ESP. RODRIGO FARIA



" HÁ ENERGIA DE COMPETIÇÃO E HÁ ENERGIA DO TREINO , SE VOCÊ USA SUA ENERGIA DE COMPETIÇÃO EM SEUS TREINOS ELA NÃO ESTRÁ DISPONÍVEL PARA VOCÊ  QUANDO ESTIVER PRONTO PARA COMPETIÇÃO ".

Correr faz bem para corpo, mente e planeta



O esporte libera endorfinas, que produzem sensação de bem estar



Endorfina é o nome genérico dado a um grupo de substâncias produzidas pelo nosso corpo e que são capazes de produzir a sensação de bem estar. Ela é liberada, após o esforço intenso de uma atividade física, na circulação sanguínea e no sistema nervoso, atuando na área do cérebro responsável pelo prazer.
Além disso, a endorfina age nos sistemas músculo-esquelético, cardiovascular, respiratório e endócrino-metabólico, aumentando a capacidade física.
Outra vantagem de correr é o aspecto psicológico. A sensação provocada pela conclusão de desafios e pela superação de limites apenas aumenta a ação da endorfina.
Existe também um lado afetivo desse esporte. Correr com outras pessoas e o contato de amizades que isso provoca também fazem parte desse lado emocional.

Bons Treinos !


sábado, 19 de maio de 2012

FRASES DO ESPORTE- PROF. ESP. RODRIGO FARIA


















" Corra a primeira metade de uma prova  com a frieza de um cientista e a segunda metade, com a emoção de um artista. "

VAMOS CORRER AMIGOS ! 











EM ALGUM LUDAR DO MUNDO CORRENDO .

Mude o piso




Além de ajudar a evitar lesões, a variação dos tipos de terreno na hora da corrida pode aumentar a qualidade e a intensidade de seus treinos.


Um bom treino de corrida está associado a uma série de fatores: preparação do corpo e da mente, alongamento, postura correta para um melhor desempenho, o calçado ideal para a absorção do impacto das passadas, a respiração, entre outros. Não muito pautado, mas de suma importância na vida de um corredor, é o tipo de piso onde será feita a prática da corrida. Há estudos que indicam uma forte ligação entre lesões, desempenho e peformance com as superfícies onde são realizadas as atividades esportivas.

Vitor Tessuti, que é Mestre em Ciências da Reabilitação pela Faculdade de Medicina da USP e Bacharel em Esporte pela Escola de Educação Física dessa mesma universidade, desenvolveu, em 2010, um artigo que estuda a pressão sofrida pelos pés durante a corrida em diferentes tipos de pisos. O estudo aponta que as lesões são causadas por uma união de fatores, como desvios de postura, experiência prévia na prática do esporte, modelo do tênis, entre outros, porém todos relacionados com a superfície em que é realizado o treino. O especialista interpreta, ainda, um outro estudo realizado no exterior pela Universidade da Califórnia em que foi feita uma análise acerca do impacto: "Certamente os pisos mais rígidos apresentam maior pressão plantar. A grama, por exemplo, atenua em até 16% a pressão que o pé sofre durante a corrida, comparada ao asfalto. A diferença é de pouco mais de 100 Newtons, mas imagine isso em cada passo. Imagine o efeito cumulativo dessa diferença em termos de solicitação articular e até mesmo óssea, ao longo do treino, da semana e do mês. Correr sempre numa superfície rígida, pode ser um dos diversos motivos geradores de lesões", analisa Tessuti.

Em contrapartida, correr em solos duros também pode trazer benefícios, desde que haja uma programação estratégica do treino, como relata o professor: "Quando se pensa em performance, os mais rígidos são os melhores, já que a dissipação de energia para o piso é menor e, além disso, pode-se aproveitar com mais propriedade as capacidades elásticas do músculo para otimizar a passada", explica.

A importância da variação

O ideal é que o atleta tenha uma tabela semanal de treinos específicos com variações entre cada tipo de superfície. Para Ronaldo Martinelli, diretor técnico e treinador da assessoria 5 Ways Sports Consulting, a alternância entre os tipos de solo só traz benefícios e está atrelada ao objetivo pessoal de cada corredor. O professor destaca a possibilidade de fortalecimento das articulações dos joelhos e tornozelos em pisos instáveis, a absorção de impacto em terrenos macios, o aumento da intensidade do treino em solos como a areia e terra, além do elemento motivacional. 

Dependendo de qual for o objetivo do atleta, um treino semanal que tenha mesclados cada um desses elementos ajudará o corredor a atingir os resultados esperados. Lembrando que essa alternância dever ser programada especificamente de acordo com a necessidade de cada pessoa e sempre com a orientação de um profissional. “A utilização aleatória dos pisos pode não trazer o efeito desejado”, alerta Tessutti.

Veja abaixo as vantagens e desvantagens de cada tipo de superfície.

Asfalto:

Vantagens: Indicado para trabalhos de velocidade. Proporciona estabilidade e segurança.
Desvantagens: Tem impacto maior nas passadas e baixa propriocepção - capacidade de reconhecer a localização espacial do corpo. Deixa as articulações mais expostas a lesões.

Esteira:

Vantagens: É um piso estável que proporciona um maior amortecimento de impacto.
Desvantagens: Apresenta pouca variação de movimento. Isso pode deixar as principais articulações menos preparadas a situações comuns de treinos e provas.

Areia:

Vantagens: Aumenta a intensidade do treino e proporciona grande estabilização.
Desvantagens: Para os que não estiverem adptados, lesões podem ocorrer com mais facilidade devido à grande intensidade do exercício.

Terra batida:

Vantagens: Proporciona boa variação de treino, aumentando a intensidade e qualidade, com maior absorção de impacto.
Desvantagens: Pode dificultar trabalhos de velocidade e proporcionar alguma instabilidade, deixando as principais articulações expostas a lesões, principalmente torções.

Cimento:

Vantagens: Piso altamente estável. Bom para treinos de velocidade.
Desvantagens: É o piso que proporciona maior impacto ao corpo. Pode estar mais está associado a lesões que os outros tipos de terreno.

Grama:

Vantagens: Tem grande absorção de impacto e um bom trabalho proprioceptivo.
Desvantagens: Não indicado para treinos de velocidade. A atenção deve ser redobrada por conta de buracos e instabilidades da superfície.

Não fuja da musculação



A corrida é um esporte que causa impacto ao corpo, o que afeta diretamente a musculatura do atleta. Para minimizar este problema, o fortalecimento muscular é essencial para qualquer corredor, já que auxilia na proteção dos músculos, das articulações e dos ligamentos, além de dar mais força e resistência durante a prática esportiva, melhorando o desempenho. Além disso, auxilia no ganho de massa muscular, o que é importante, sobretudo, para os corredores acima de 40 anos. Nesta idade o indivíduo perde um pouco mais de massa muscular e a musculação passa a ser grande aliada.

Como fazer?


O fortalecimento muscular deve ser feito desde a fase iniciante até o atleta mais avançado, seguindo a planilha de treinos sempre com disciplina. “O importante é que a rotina seja respeitada ao máximo. Ou seja, o corredor não pode se programar para correr três vezes e fazer musculação duas por semana e acabar treinando uma ou duas vezes apenas”.

Todos os exercícios feitos na academia são indicados, desde que a pessoa não tenha nenhuma restrição. Trabalhar os membros inferiores é, obviamente, muito importante. Porém, não se esqueça dos membros superiores e do tronco, como a região do core - abdominal e quadril. Mas fique atento! Nada de musculação com muita carga, principalmente nas pernas. A melhor opção são as séries de resistência, ou seja, muitas repetições e pouca carga, para trabalhar exatamente a resistência anaeróbia do músculo. 

Dia sim, dia não


É de extrema importância que os exercícios de musculação sejam feitos de maneira correta, com cargas compatíveis ao condicionamento do atleta. Fazer treinos de musculação e de corrida no mesmo dia não é errado, mas depende muito da condição do corredor. “Não é o mais aconselhável, mas, caso precise fazer os dois tipos de treino no mesmo dia, a pessoa deve fazer um ajuste nas cargas, séries e repetições e ainda verificar os exercícios mais adequados neste dia, mesmo que simples”.

O indicado é que o corredor, ao buscar os exercícios de fortalecimento, peça auxílio a um professor de educação física e diga que busca uma série para prevenir lesões na corrida e também para melhorar o desempenho. É importante também não exagerar. “Deve-se observar que trabalhos aeróbios como a corrida geralmente requerem um tempo de recuperação - em torno de até 8 horas -, para depois permitir outro desgaste físico”.

Exercícios de propriocepção (capacidade de o corpo perceber sua posição e o seu movimento no espaço) também são muito indicados para os corredores. 

Overtraining

O excesso de treinamento pode ser prejudicial ao atleta. Saiba como dosar sua atividade física e ter uma prática muito mais segura e saudável.



 




A busca por resultados, sejam eles uma melhora na performance ou um corpo saudável, faz com que alguns corredores acabem praticando o exercício físico de forma exagerada.

Esse volume intenso da atividade física sem descanso adequado, conhecido como overtraining, ou vigorexia, pode gerar, em vez de ganhos fisiológicos para o atleta, problemas como contusões, alterações cardiovasculares, metabólicas, hormonais, motoras e psicológicas.

“O overtraining nada mais é do que quando o corredor treina mais do que o seu corpo suporta. As principais causas desse excesso são o aumento do volume e da intensidade de forma exagerada e sem acompanhamento, e, principalmente, ficar sem o descanso necessário”. 

A importância do descanso


Alguns corredores podem pensar que somente durante o treinamento que os ganhos fisiológicos aparecem. Porém, não é bem assim que funciona o corpo humano. O descanso após as atividades pode acrescentar em força e velocidade.

“O exercício físico é sempre uma agressão ao organismo. Com ele, o atleta sofre microlesões e acumula ácido láctico. O repouso permite que o corpo seja realinhado e, assim, há uma supercompensação, fazendo com que o atleta fique mais forte”.

O descanso é tão importante na vida do atleta quanto uma alimentação adequada e treinos apropriados.

“Costumo listar três fatores básicos, que fazem parte de uma corrida bem feita. O primeiro seria o treinamento realizado de forma correta, de acordo com as necessidades do corredor. O segundo é uma alimentação saudável. E o terceiro é o descanso. Este tripe têm que estar equilibrado para que o corredor não venha a sofrer com problemas”, disse.

O excesso e seus sintomas

Reconhecer o overtraining muitas vezes não é fácil, já que seus sintomas podem se confundir facilmente com as dores naturais de um treino forte de corrida. Porém, a fadiga completa só é atingida quando o corredor passa a ignorar os sinais enviados pelo seu corpo.

“Antes do corredor atingir o overtraining, ele passa a sofrer com alguns sintomas. Quando os ignora, e passa a atropelá-los, seu corpo começa a sofrer uma quantidade grande de problemas”, que listou os principais fatores que podem ajudar o corredor a identificar quando está exagerando na hora de treinar:

- Perda de apetite

- Dores frequentes em mais de um lugar

- Pequenas lesões

- Mudança de humor

- Irritação constante

- Cansaço em demasia

- Aumento da frequência cardíaca em repouso

Quando o corpo já está em um ponto de fadiga total, lesões mais graves podem aparecer, além do agravamento dos sintomas já citados. “O excesso pode causar lesões por estresse, em mais de um ponto, musculatura cansada, além da perda do apetite e o sono desequilibrado”, afirma Antoniazzi, que ressalta a importância do acompanhamento de um especialista.

“Com a ajuda de um treinador, o corredor consegue identificar melhor a hora de treinar, de como efetuar esse treinamento e descansar. O treinador sabe as reais necessidades do atleta e até que ponto ele consegue ir sem sofrer com lesões”.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Boa forma Antes de praticar, saiba qual esporte combina mais com sua personalidade.



Você pensou que sua mente estava presa dentro do crânio? Algumas práticas para pessoas inquietas e desconcentradas e outras para as calmas e introvertidas.

A mente comanda o corpo

Você quer ter sucesso na prática esportiva? Ou simplesmente melhorar a condição física com um plano de exercícios? Então, precisa levar em conta vários aspectos: seu condicionamento físico atual, o tempo disponível para a prática, a orientação de um especialista em medicina esportiva, etc. Mas como fica sua personalidade e preferências? Você não pode mandar o corpo realizar exercícios físicos e ao mesmo tempo deixar a mente de lado. É ela quem comanda todo o conjunto, e é melhor não contrariá-la demais. É comum pensarmos que nossa mente equivale ao nosso cérebro.

Pensamento e ação

Atribuímos à mente uma localização física dentro do crânio e, quase sem percebermos, a separamos do resto do nosso corpo. Como se fossem compartimentos estáticos! A mente é, na verdade, uma das funções do indivíduo. Embora esteja situada principalmente no cérebro, fica conectada a cada parte escondida do nosso corpo, através do sistema nervoso e de delicadas reações químicas e elétricas. Sem medo de errar, podemos dizer que existe "mente" em cada órgão e tecido corporal. Se os seus pensamentos se movem muito rápido, não espere que o corpo consiga se manter em repouso por muito tempo!

Um exercício para cada personalidade

Felizmente, temos à nossa disposição vários tipos de atividades e práticas. São todas diferentes, e sempre existirá alguma que combine com nosso "comandante" mental. As atividades competitivas são muito apropriadas para quem precisa de motivação para manter-se concentrado. Essas pessoas têm necessidade de esportes velozes e de equipe, como o basquete e o futebol. Sua dificuldade é seguir planos de exercícios, porque preferem a emoção do gol ou de vencer a partida. Nada de rotinas chatas e repetitivas. Precisam proporcionar à mente uma grande variação, e "associar" a repetição inevitável de exercícios a eventos sonoros e visuais. Por exemplo, numa série de abdominais, seguir o ritmo da bateria de alguma música de sua predileção. 

Se o nosso estilo é lento e não gostamos de barulho nem de violência, será conveniente uma atividade bem distinta. A natação é ideal para quem ama o silêncio e consegue "mergulhar" em seus próprios pensamentos, enquanto repete ritmicamente os exercícios. Para mentes com refinado gosto estético, a esgrima ou o Tai-Chi são bastante apropriados, com suas imagens suaves e harmoniosas de equilíbrio. Afinal, contrariar a nossa mente é a maneira mais rápida e simples de fracassar na atividade física.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...