segunda-feira, 30 de julho de 2012

Confira as melhores imagens das Olimpíadas de Londres!

Os melhores momentos em fotos : 




O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)


O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)

O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)


O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)


O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)


O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)

O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)


O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)


O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)

O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)


O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)

O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)

O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)

O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)

O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)

O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)

O segundo dia nos Jogos Olímpicos de Londres não teve medalha para o esporte brasileiro, mas teve boas vitórias no futebol e no basquete masculino. Veja os melhores momentos em fotos. - 1 (© Reuters)


Cenas inusitadas dos Jogos nesta segunda!

A segunda-feira foi bastante movimentada em Londres e trouxe a maior polêmica das Olimpíadas, até aqui. Por um bom desempenho, teve até atleta que perdeu os cabelos ou foi parar no hospital, mostrando o nível de disputa entre as equipes. Veja fatos inusitados desta segunda-feira nos Jogos Olímpicos :






Fatos inusitados agitaram o dia em Londres (© Montagem sobre fotos da Reuters)


Fatos inusitados agitaram o dia em Londres (© Montagem sobre fotos da Reuters) 


Fatos inusitados agitaram o dia em Londres (© Montagem sobre fotos da Reuters)

Fatos inusitados agitaram o dia em Londres (© Montagem sobre fotos da Reuters)


domingo, 29 de julho de 2012

Kitadai quebra medalha no banho, e Brasil pedirá ao COI uma nova para o judoca.

Felipe Kitadai exibe a medalha de bronze conquistada na Olimpíada de Londres



Um acidente enquanto tomava banho fez com que o judoca brasileiro Felipe Kitadai quebrasse parte de sua medalha de bronze conquistada no último sábado.

Ele fez questão de se banhar com o objeto e segurando-o nos dentes. Mas a medalha caiu, e um feixe que serve para passar a corda que segura a medalha acabou quebrando, segundo contou Kitadai à reportagem das Organizações Globo.

O ex-jogador de vôlei Bernard Rajzman, chefe da Missão brasileira em Londres, afirmou que entrará em contato com o COI (Comitê Organizador Local) para tentar trocar por uma nova.

“Me pediram e vou tentar [trocar]. Minha função é essa, não custa nada tentar, temos reuniões e vou tentar. “Eles [do COI] não têm obrigação nenhuma de trocar, não é uma obrigação. Vou pedir, vamos ver se dá certo, vou entrar em contato com o COI.”

No ano passado, o mesmo Kitadai ficou famoso por manchar o quimono na semifinal dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, no México, em competição que acabou sendo vencedor.

sábado, 28 de julho de 2012

EM ALGUM LUGAR DO MUNDO CORRENDO SEMPRE

O seu rendimento na corrida caiu?



Caiu seu rendimento? Caiu por quê?

É comum notarmos em algum momento que ficou difícil. Não é fácil administrarmos as quedas de rendimento e nem sempre temos as explicações mais convincentes, ou seja, aquelas que desejamos ouvir e tê-las.

Vejamos alguns exemplos:

- Cansado
- Triste
- Compromissado no trabalho
- Endividado
- Mal alimentado
- Sem hidratação adequada
- Tênis pesado
- Obeso
- Fraco
- Cansado da prova
- Cansado e doido pela musculação
- Pés doendo
- Percurso cansativo
- Desmotivação
- Eufórico
- Apressado
- Desconcentrado
- Mal dormido
- Longas horas de trabalho
- Sol quente
- Frio demais
- Vento
- Umidade relativa do ar alta ou baixa
- Irritabilidade
- Mal treinado
- Final de periodização
- Tênis apertados


A partir daí pensamos, imediatamente, numa das desculpas para nossa pouca eficiência na prova e ou nos treinos. Por que será, temos tantas desculpas na ponta da língua?
Será por que:
- Treinar é difícil
- Corrida é desgastante e fora de nossa rotina milenar de acomodações
- Correr é cansativo e pode doer
- Correr tira-nos de casa
- Correr quebra as rotinas dos happy hours



Correr é contraditório a tudo que o nosso trabalho admite. A sociedade do trabalho manda e não podemos nos apresentar suado, muito magro, Por outro lado, deve estar sempre penteado, disponibilizado horas para o trabalho e tudo isso para parecer um verdadeiro profissional. Cansativo só de pensar.
O corredor é um sujeito diferente dos demais que não correm. Ele necessita alongar-se, tem fome frequentemente, sente sono cedo, fala de corridas e treinamentos, enquanto o profissional que não corre, fixa-se no trabalho. Diferenças? Quem corre, tende a ter mais saúde. Quem não corre se apresenta mais vezes aos médicos.
A corrida é ainda, apesar de termos praticado por muito tempo, enquanto primitivos, muito estranha aos nossos hábitos sociais. Ela está distante de nosso cotidiano, e deverá, ainda neste século, se tornar um hábito tão necessário que dependeremos dela para sobrevivermos às mudanças climáticas, as solicitações do trabalho, para a absorção adequada de nutrientes, além de nos preparar para mantermos um metabolismo geral melhorado e superior aos “cataclismos” que nos esperam.
Estes pequenos cataclismos são: poluição, os alimentos de baixo valor nutricional, o desinteresse que existe nos sedentários pela hidratação e a alimentação adequada, a falta de sono, a tensão, a concentração e tudo isso para nos colocar em sintonia com os sentidos obrigatórios e que nos permita passar deste século para os próximos.
Sem dúvida, a corrida bem realizada e planejada pode nos reaproximar dos hábitos antigos, porém, e como tudo na vida em sociedade, levará um tempo para adaptar-se aos nossos costumes e vice-versa.
Precisamos, por enquanto, identificar os defeitos e, a bem da verdade, esquecê-los para que não atrapalhem nossas corridas diárias.
A corrida deve ser levada em conta como uma atividade séria, construtora de projetos de vida e por fim, atlética.
Antes de se tornar um atleta, você deve passar por vários estágios, como uma sequência que vai do caminhante, ao corredor iniciante, ao corredor intermediário, passando pelo de corredor avançado e por fim, corredor atleta.
Enquanto corredor, você poderá levar alguns fatores em consideração, até para que possa “digerir”, por exemplo, uma má fase. Ela não deve durar muito, por que uma má fase deve ter uma explicação, encerrada com uma fase de transição, adequadamente distribuída e elaborada.
Redirecionado o treinamento, a má fase irá embora, entrará uma fase de recuperação e consequente avanço para a melhora da condição física do corredor.
Certamente estes são os principais detalhes que podem atrapalhar as atividades de um corredor, então, atente para tudo que possa atrapalhar sua carreira de corredor e realinhe seus treinos para evitar as quedas de produção em hora errada.

Thiago Pereira conquista 1ª medalha olímpica e é prata nos 400 m medley.

Nadador Thiago Pereira avançou à final dos 400 m medley com quarto melhor tempo (4min12s39), à frente do norte-americano Michael Phelps.

Thiago Pereira, enfim, conseguiu a sua primeira medalha olímpica. O rei dos Jogos Pan-Americanos conseguiu a medalha de prata dos 400 m medley, com direito a ficar à frente de Michael Phelps. O norte-americano Ryan Lochte ficou com o ouro.





Nadador Thiago Pereira avançou à final dos 400 m medley com quarto melhor tempo (4min12s39), à frente do norte-americano Michael Phelps







Assista ao desfile da delegação brasileira na Cerimônia de Abertura.

O cavaleiro Rodrigo Pessoa foi o responsável por carregar a bandeira do Brasil no Desfile das Delegações da grande festa de abertura dos Jogos Olímpicos de Londres 2012. Das tribunas, a presidente Dilma Rousseff aplaudiu os atletas, que variavam entre a alegria e a emoção. Veja a passagem do Brasil pelo Estádio Olímpico.







Felipe Kitadai conquista a primeira medalha brasileira em Londres 2012.




A primeira medalha brasileira nas Olimpíadas de Londres 2012 foi de bronze. Depois de uma luta emocionante, o judoca Felipe Kitadai derrotou o italiano Elio Verde e conquistou a medalha de bronze na categoria até 60kg do judô.

Sarah Menezes fatura ouro inédito para o Brasil no judô feminino.

AFP PHOTO / ADRIAN DENNIS


Sarah coloca o seu nome na história do judô e do esporte brasileiro em Jogos Olímpicos

ABERTURA DAS OLIMPÍADAS DE LONDRES 2012 .


Cerimônia de Abertura deu início oficial às Olimpíadas 2012 nesta sexta.




quarta-feira, 25 de julho de 2012

CBAt divulga datas de chegadas dos atletas brasileiros a Londres.






A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) anunciou, nesta terça-feira, a data de chegada dos atletas da delegação em Londres, para a disputa dos Jogos Olímpicos. Os esportistas brasileiros irão todos para o Crystal Palace, local de treinamentos do time do Brasil.

Caio Sena Bonfim, da marcha atlética, é o único que já se encontra na capital inglesa, tendo desembarcado nesta terça-feira. Nesta quarta-feira, dia 25, Mauro Vinícius da Silva, o Duda, campeão indoor do salto em distância, título conquistado em Istambul (TUR), e o treinador Aristides Junqueira, que estavam de preparando em Lisboa (POR), chegam à sede das Olimpíadas. Kleberson Davide, que ganhou medalhas de prata nos 800 metros das últimas duas edições do Pan-americano, e Clodoaldo do Carmo, seu técnico, desembarcam na mesma data.

No próximo dia 29 (domingo) é a vez de Maurren Maggi, atual campeã olímpica do salto em distância, chegar a Londres. Ela chega acompanhada de seu colega de treinamento, Jonathan Henrique Silva, e os treinadores Nélio e Tânia Moura.

No dia 30, Fabiana Murer, do salto com vara, chega à capital inglesa junto com Fábio Gomes da Silva, também saltador. Elson Miranda, técnico de Nurer, e Vitaly Petrov, consultor da CBAt, também desembarcam. Além de Murer, Fábio Gomes e a comissão, também dão as caras na cidade a maratonista Adriana Aparecida acompanhada de seu treinador Claudio Castilho.

Guilherme Cobbo, do salto em altura, Paulo Roberto de Almeida, da maratona, e os técnicos Kiyoshi Takahashi e Jorge Peçanha aterrissam no dia 31 de julho. A atleta do arremesso de peso, Geisa Arcanjo, Laila Ferrer, do lançamento de disco e o treinador Paulo Attílio chegam ao Reino Unido no dia 1º de agosto.

Por último, no dia 3 de agosto, o fundista Marilson Gomes dos Santos e o técnico Adauto Domingues chegam a Londres.

OLIMPÍADAS DE LONDRES 2012 .

HISTORIA DAS OLIMPÍADAS 


A cada quatro anos, atletas de centenas de países se reúnem num país sede para disputarem um conjunto de modalidades esportivas. A própria bandeira olímpica representa essa união de povos e raças, pois é formada por cinco anéis entrelaçados, representando os cinco continentes e suas cores. A paz, a amizade e o bom relacionamento entre os povos e o espírito olímpico são os princípios dos jogos olímpicos.

Origem dos Jogos Olímpicos

Foram os gregos que criaram os Jogos Olímpicos. Por volta de 2500 a.C., os gregos já faziam homenagens aos deuses, principalmente Zeus, com realização de competições. Porém, foi somente em 776 a.C. que ocorreram pela primeira vez os Jogos Olímpicos, de forma organizada e com participação de atletas de várias cidades-estado. 
Atletas das cidades-estados gregas se reuniam na cidade de Olímpia para disputarem diversas competições esportivas: atletismo, luta, boxe, corrida de cavalo e pentatlo (luta, corrida, salto em distância, arremesso de dardo e de disco). Os vencedores eram recebidos como heróis em suas cidades e ganhavam uma coroa de louros.

Além da religiosidade, os gregos buscavam através dos Jogos Olímpicos a paz e a harmonia entre as cidades que compunham a civilização grega. Mostra também a importância que os gregos davam aos esportes e a manutenção de um corpo saudável.
No ano de 392 d.C., os Jogos Olímpicos e quaisquer manifestações religiosas do politeísmo grego foram proibidos pelo imperador romano Teodósio I, após converter-se para o cristianismo.

Jogos Olímpicos da Era Moderna

No ano 1896, os Jogos Olímpicos são retomados em Atenas, por iniciativa do francês Pierre de Fredy, conhecido com o barão de Coubertin. Nesta primeira Olimpíada da Era Moderna, participam 285 atletas de 13 países, disputando provas de atletismo, esgrima, luta livre, ginástica, halterofilismo, ciclismo, natação e tênis. Os vencedores das provas foram premiados com medalhas de ouro e um ramo de oliveira.
Jogos Olímpicos e Política
As Olimpíadas, em função de sua visibilidade na mídia, serviram de palco de manifestações políticas, desvirtuando seu principal objetivo de promover a paz e a amizade entre os povos. Nas Olimpíadas de Berlim (1936), o chanceler alemão Adolf Hitler, movido pela ideia de superioridade da raça ariana, não ficou para a premiação do atleta norte-americano negro Jesse Owens, que ganhou quatro medalhas de ouro. Nas Olimpíadas da Alemanha em Munique (1972), um atentado do grupo terrorista palestino Setembro Negro matou 11 atletas da delegação de Israel.  A partir deste fato, todos os Jogos Olímpicos ganharam uma preocupação com a segurança dos atletas e dos envolvidos nos jogos.


Olimpíadas de Berlim - Jesse Owens 

           *Jesse Owens: quatro medalhas de ouro nas Olimpíadas de Berlim (1936)*


Em plena Guerra Fria, os EUA boicotaram os Jogos Olímpicos de Moscou (1980) em protesto contra a invasão do Afeganistão pelas tropas soviéticas. Em 1984, foi a vez da URSS não participar das Olimpíadas de Los Angeles, alegando falta de segurança para a delegação de atletas soviéticos.

Você sabia?

- No ano de 1916, as Olimpíadas deveriam ocorrer na Alemanha. Porém, em função da Primeira Guerra Mundial, os Jogos Olímpicos foram cancelados. 
- Em função da Segunda Guerra Mundial, os Jogos Olímpicos de 1940 e 1944 também foram cancelados.
- Críquete, golfe e cabo-de-guerra já foram esportes olímpicos no começo do século XX. Nas Olimpíadas de 1920 (Antuérpia - Bélgica), o tiro ao pombo também fez parte do quadro de jogos olímpicos.
- O lema olímpico "Citius, altius, fortius" (mais rápido, mais alto e mais forte) foi proposto por Pierre de Coubertin em 1894. Porém, o lema só foi oficialmente introduzido nas Olimpíadas de Paris de 1924. 

Vale lembrar


- Em 2016, as Olimpíadas ocorrerão na cidade do Rio de Janeiro.
- No ano de 2007, ocorreu, na cidade do Rio de Janeiro, outro evento esportivo internacional de grande importância: Os Jogos Pan-Americanos.
- No ano de 2008, as Olimpíadas foram realizadas na cidade chinesa de Pequim (China) e contou com a participação de atletas de 205 países.
- As próximas Olimpíadas ocorrerão no ano de 2012, na cidade de Londres.



                                     OLIMPÍADAS DE LONDRES 2012 

Acontecerão, entre os meses de julho a agosto de 2012 na cidade de Londres (Inglaterra), os XXX Jogos Olímpicos. A abertura será realizada  no dia 27 de julho. A cerimônia de encerramento ocorrerá no dia 12 de agosto. O lema dos jogos será "Live is one" ("Viva como se fosse o único"). As duas cerimônias acontecerão no Estádio Olímpico de Londres.
O estádio Olímpico de Londres está sendo construído no Parque Olímpico. Sua capacidade será de 80.000 espectadores. Com toda estrutura em aço, o estádio receberá as cerimônis de abertura e encerrado, assim como todas as provas de atletismo. 


As cerimônias de abertura e encerramento serão vistas pela televisão por, aproximadamente, 4 bilhões de pessoas no mundo todo.


Mascotes das Olimpíadas de Londres 2012



 

                                          Wenlock e Mandeville


Os mascotes das Olimpíadas de Londres se chamam Wenlock e Mandeville. São duas gotas de aço feitas em animação de cartoon.


Tocha Olímpica 


A Tocha Olímpica foi anunciada em 26 de maio de 2010. Ela passará pelas mãos de 8.000 pessoas, durante 70 dias antes do evento. A tocha sairá da Grécia em 18 de maio e chegará em Londres no dia 21 de julho de 2012.  Antes da cerimônia de abertura, a tocha olímpica será conduzida por sete dias dentro da cidade de Londres.


Medalhas Olímpicas


As medalhas serão confeccionadas pela empresa Royal Mint (situada no sul de Gales). Serão produzidas 4.700 medalhas que terão como designer um artista britânico.


Os ingressos


ingressos olimpiadas 

Ingressos das Olimpíadas 2012
O Comitê Organizador das Olimpíadas de Londres 2012 divulgou, na última semana de 2012, os ingressos que serão usados nos Jogos Olímpicos de Londres 2012. Os ingressos terão cores diferentes, de acordo com o local onde a modalidade esportiva será disputada. Cada ingresso apresenta também um desenho que simboliza um esporte. Para que não haja falsificações, os ingressos apresentam recursos como, por exemplo, código de barras, holograma e nome do comprador impresso. 





CALENDÁRIO DAS OLIMPÍADAS DE LONDRES 2012 



MODALIDADES 

- Atletismo
- Badminton
- Basquetebol
- Boxe
- Canoagem
- Ciclismo
- Esgrima
- Futebol
- Ginástica artística
, rítmica e Trampolim
- Handebol
Levantamento de Peso (Halterofilismo)
- Hipismo
- Hóquei na grama
- Judô
- Luta (livre e greco-romana)
- Natação
- Nado Sincronizado
- Saltos Ornamentais
- Pólo Aquático
- Pentatlo Moderno
- Remo
- Taekwondo
- Tiro
- Tiro com arco
- Tênis
- Tênis de Mesa

- Triatlo
- Vela
- Voleibol 
 e  Vôlei de Praia

PARTICIPAÇÃO BRASILEIRA NOS JOGOS 

Participação do Brasil


O COB (Comitê Olímpico Brasileiro) definiu que a delegação brasileira, que participará das Olimpíadas de Londres, será composta por 259 atletas. Serão 136 homens e 123 mulheres que disputarão 32 modalidades olímpicas.

Voce sabia?


- Durante toda história dos Jogos Olímpicos Modernos várias modalidades esportivas foram excluídas do quadro de esportes olímpicos. Alguns exemplos: cabo de guerra,  croquet, críquete, raquets, esqui aquático, golfe, hóquei sobre patins, patinação artística, pelota basca, motonáutica, pólo equestre, roque e rugbi.

- Para participar dos Jogos Olímpicos, um atleta tem que ser aprovado pelo Comitê Olímpico de seu país e também pelo COI (Comitê Olímpico Internacional). Deve também participar de competições oficiais classificatórias (torneios pré-olímpicos). Nestes torneios, o atleta deve obter índices e/ou classificação determinados pelos comitês, de acordo com sua modalidade esportiva, , que lhe garantam a participação. 

- A expectativa é de que participem, nas Olimpíadas 2012, cerca de 10.500 atletas de 192 países e 13 territórios.


BONS JOGOS A TODOS  E VAMOS BRASIL !



terça-feira, 24 de julho de 2012

Usain Bolt quer chegar ao limite humano nos 100m rasos: 'Eu posso fazer 9,4s'




Usain Bolt é o atual campeão olímpico nos 100m, 200m e no revezamento 4x100m

Afastado de competições e poupado de treinamentos para não sofrer complicações em suas recentes lesões nas costas e no tendão direito, o velocista jamaicano Usain Bolt segue confiante em um bom desempenho nos Jogos Olímpicos de Londres-2012. Três vezes medalhista de ouro em Pequim-2008, Bolt acredita que baixará o atual recorde mundial dos 100m rasos, 9,58s, pertencente a ele, para 9,4s, marca que considera imbatível para os padrões humanos.

“Posso fazer 9,4s nos 100 m rasos. Mas este é o limite humano, não importa o quanto você treine. É impossível correr em 9,2s. O corpo não é feito para isso”, afirma o atual campeão olímpico, em entrevista ao jornal inglês The Sun.

Atual campeão olímpico nos 100m, 200m e no revezamento 4x100m, Bolt disse ainda acreditar que não pode ser considerado uma lenda do esporte. Para o jamaicano, qualquer atleta pode sagrar-se campeão olímpico, mas poucos conseguem manter o alto nível em duas edições dos Jogos, feito que ele quer realizar em Londres-2012 e que, segundo ele, finalmente o elevaria a um outro patamar na categoria.

“Qualquer um pode vencer uma vez. Você tem que fazer isso de novo, se quiser se destacar do restante. Ganhar as Olimpíadas uma vez não o marca como um grande atleta”, analisa. Confessando que os Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, deve ser a última edição em que competirá por seu país.

“Eu terei mais uma temporada e é isso”, diz. “Eu não correrei aos 32 anos. Você pode me oferecer 50 milhões de dólares que eu não farei isso”, brinca.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Brasil treina para o Tiro com Arco e está entre os melhores do mundo na modalidade paraolímpica.

Foto Arquivo pessoal/ Patrícia Layolle/Divulgação

Flechadas paraolímpicas: dez pontos são dados para quem acertar o centro do alvo, lance que requer muita precisão.

Conheça os benefícios do core training para corredores e triatletas.

Quem leva corrida a sério sabe que o treinamento vai muito além de apenas sair trotando por aí. Reeducação postural, trabalho psicológico e fortalecimento de determinados grupos musculares são algumas das atividades complementares que geram impacto direto nos resultados de um corredor ou triatleta.

O “core training”, ou treinamento de core, é uma dessas atividades. Core é um termo em inglês que significa núcleo/centro, e é justamente a isso que se refere, o trabalho de força na região central do corpo – tronco, abdominal e lombar – realizado normalmente por exercícios isométricos, como aqueles em que a pessoa fica parada em posição de prancha, contraindo determinados músculos.

Benefícios do core- Ao fortalecer esta região, o atleta faz um importante trabalho preventivo. “O core gera uma longevidade maior ao atleta. Prolonga o período de treinamentos sem ter que parar por lesão”.






Isso significa que as chances de lesão diminuem drasticamente e um corredor pode treinar por seis meses, dois anos, sem ter uma interrupção forçada. “É difícil mensurar ganhos de performance com o core, mas com certeza ele é um dos fatores envolvidos na melhora de desempenho”, diz o técnico.

Correção nos movimentos- Diego explica que “o senso de equilíbrio fica mais apurado. O atleta consegue corrigir automaticamente erros de mecânica do movimento”. Muitas vezes, segundo o treinador, o corredor é resistente mas tem a mecânica errada.

“Se acertar isso, tem um ganho maior ainda em resultados”, continua. Só de colocar o adendo do core em treinos intervalados – como correr 15 minutos e fazer exercícios no tempo de parada – já “melhora a mecânica e performance no sentido de gastar menos energia com movimentos errados. De dois a quatro meses ele já está adaptado e dá para sentir resultados”, define.

Triatleta versus corredor- Por ser um trabalho complementar, o treinador recomenda sua aplicação principalmente para corredores. Isso porque “o triatleta já trabalha o core nos esportes específicos, como a natação”.

Como um praticante de triathlon tem que treinar ao menos seis vezes por semana – duas cada esporte – Diego Lopez reforça a indicação para quem apenas corre. “Um corredor tem menos acervo motor e treina em média três vezes por semana. Dá para encaixar o treinamento do core com mais facilidade e ele precisa mais do que um triatleta, por a corrida trabalhar menos essa região”, encerra. 

domingo, 22 de julho de 2012

Satisfação pessoal através da corrida




A satisfação obtida pela prática da corrida de rua é o que mais encanta todos os seus praticantes. 

Muito facilmente começamos a sentir o prazer provocado pela pratica esportiva. E isso nos cativa de tal forma que nos dedicamos mais e mais.


São várias as formas de nos satisfazermos e isso é muito pessoal. Alguns atletas começam a correr por motivos diversos, desde uma simples tentativa de incluir uma nova rotina em suas vidas até uma recomendação médica. Mas uma vez envolvidos pela atmosfera da corrida de rua, difícil mesmo é abandoná-la.



Para os iniciantes, e até mesmo alguns calejados veteranos, os eventos de corrida de rua é que mais ressalta. Um verdadeiro evento social onde é possível conhecer outras pessoas, socializar-se.
Perceber a melhoria da saúde através da pratica da corrida é outra forma de encontrar a satisfação. Perda de peso, redução da pressão sanguínea, controle do colesterol ou da glicemia são facilmente encontradas entre os atletas. Uma vez encontrada a rota para eliminar ou reduzir o uso de medicamentos como desprezar o caminho encontrado?


Muito comum também é a satisfação através da superação de distâncias cada vez maiores. Começa-se superando os 5 km. Correr a distância de 10 km é um objetivo quase automático. Muitos param por ai, mas alguns seguem em frente e vão em busca da meia maratona. Conquistá-la é realmente um mérito louvável. Daí para a maratona é um passo bem mais complicado. Mas alguns não se sentem ainda satisfeitos e vão até a ultra maratona. Correr horas a fio, sem interrupção, é também, por mais incrível que possa parecer, uma outra forma de encontrar a satisfação na corrida.


A busca de ritmos cada vez mais intensos, correr cada vez mais rápido, é outra forma de se satisfazer. Uma satisfação que envolve muitas outras questões. Percebe-se que aqui a coisa não anda muito popular. Mas alguns malucos estão por ai em busca de recordes pessoais cada vez desafiadores.

Porém, mais cedo ou mais tarde, todos perceberão que o importante mesmo é se satisfazer pela pratica da corrida da forma mais simples mesmo: correr pelo simples prazer de correr, e mais nada. Da forma mais pura possível. Ainda sonho viver este momento.




Bons treinos a todos!

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Rapaz é preso ao tentar roubar a tocha olímpica .




Nesta sexta-feira, por volta das 9h55 (5h55 de Brasília), um rapaz foi preso pela polícia britânica após tentar roubar a tocha olímpica. Ainda nesta sexta, a chama chegará a Londres.

O incidente aconteceu na cidade de Gravesend, ao leste de Londres. Enquanto a tocha estava nas mãos de Anna Skora, o jovem tentou roubá-la. Ele foi imediatamente detido pela polícia local.

A tocha olímpica iniciou o seu percurso no dia 19 de maio e terminará no próximo dia 27, na cerimônia de abertura dos Jogos.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

A Importância Bandagem Funcional.


As bandagens funcionais estão sendo cada vez mais utilizadas por fisioterapeutas e outros profissionais da saúde e da área esportiva como uma forte aliada no tratamento de atletas e não atletas. No meio esportivo o uso das bandagens tem sido um eficiente método de tratamento e prevenção.
Para a utilização da técnica de bandagens é preciso que o profissional desenvolva habilidades específicas e entenda os princípios que orientam sua aplicação. Por isso é importante que esse profissional tenha um bom conhecimento de anatomia e biomecânica de cada articulação a ser tratada. É preciso entender a conexão da anatomia, mecanismo de lesão, aplicação da bandagem e seu propósito, ou seja, se a bandagem tem como finalidade imobilizar uma articulação, restringir um movimento, ajudar na estabilidade articular, comprimir uma região com presença de edema ou aumentar o estímulo proprioceptivo da articulação. Uma vez o profissional sabendo qual será sua finalidade com a bandagem, ele saberá qual técnica utilizar.
Em geral, as bandagens são mais utilizadas para limitar o movimento excessivo ou anormal de uma articulação que sofreu um trauma ou evitar uma lesão ocasionada por essa instabilidade ou frouxidão ligamentar. Porém, é importante tomar cuidado para não realizar uma bandagem que limite o gesto esportivo de um atleta ou praticante de atividade física.
As bandagens funcionais podem ser utilizadas em lesões causadas por sobrecarga (overuse), como as tendinopatias, fraturas por estresse, síndrome femuropatelar, com o objetivo de ajudar na biomecânica da articulação, re-educar ou melhorar a ação proprioceptiva; em lesões ligamentares agudas, como os entorses de tornozelo, com o intuito de reduzir o edema, proteger as estruturas traumatizadas, manter a congruência articular e permitir o movimento funcional da melhor forma possível; ou lesões em estágio crônico, para uma reeducação articular e proprioceptiva.
Além disso, as bandagens têm uma grande influência nos sistemas nervosos central e periférico, levando a uma melhora da dor do indivíduo. Pickar e Wheeler (2001) especularam que bombardear o sistema nervoso central com aferências sensoriais dos proprioceptores musculares pode, através dos mecanismos gatilhos de dor, reduzir a aferência nociceptiva e, portanto, a dor.
Por isso, devido aos efeitos biomecânicos e neurofisiológicos da bandagem, a mesma técnica pode ser aplicada por razões bem diferentes, em diferentes regiões do corpo e em estágios diferentes da recuperação do paciente após uma lesão.           
Para a aplicação da bandagem é importante que a região a ser tratada seja limpa e se necessário, que seja realizada a retirada dos pêlos para uma melhor fixação do esparadrapo ou do material a ser aplicado. O paciente deve, preferencialmente, estar sentado, atento à aplicação, já que a má postura e falta de atenção podem interferir. O terapeuta deve instruir o posicionamento correto do paciente e da articulação a ser tratada e orientá-lo sempre que necessário.
Após todo o procedimento é importante checar a circulação distal à área aplicada, avaliar a funcionalidade da bandagem, ou seja, se o paciente consegue andar ou correr sem restrições e avaliar os efeitos esperados após a aplicação, tais como, amplitude de movimento e sintomas do paciente.

quarta-feira, 18 de julho de 2012

O negro que peitou Hitler.

Jesse Owens não se abateu pelo preconceito racial, levou quatro ouros nas Olimpíadas de Berlim e fez o líder nazista se retirar do Estádio Olímpico em 1936.



O objetivo dos Jogos Olímpicos de 1936, na Alemanha, era muito mais do que a disputa pelas medalhas de ouro. Naquela época, importava mais a Adolph Hitler demonstrar ao mundo a superioridade da raça ariana, a raça pura, segundo ele. Os alemães só não contavam com o desempenho dos negros americanos. Das 14 medalhas de ouro conquistadas pelos Estados Unidos no atletismo, nove vinham de vitórias negras. Destas, quatro foram mérito de Jesse Owens, atleta nascido no Alabama, que fez Hitler abandonar o Estádio Olímpico, após subir no primeiro lugar do pódio pela terceira vez.

Owens ficou com ouro nos 100 m, 200 m e no revezamento 4 x 100 m. Além disso, teve o primeiro lugar no salto em distância. Pior do que cumprimentar um negro era vê-lo desbancando os alemães. Sim, na conquista do ouro no salto em distância, Owens deixou para trás o alemão Lutz Long, o maior de todos os saltadores em distância da Europa na época. Após a vitória nos 100 m, o terceiro ouro de Owens, o líder nazista deixou o estádio para não cumprimentá-lo.

Apenas nas Olimpíadas de Los Angeles, em 1984, o atleta Carl Lewis conseguiu igualar o feito de Owens conquistando para os EUA quatro medalhas de ouro.

Após as conquistas de Owens, as pessoas em Berlim rejeitaram a publicidade nazista e fizeram do negro americano o herói dos Jogos Olímpicos. Em determinados momentos, durante as competições, Hitler, reconhecendo a óbvia superioridade atlética demonstrada por Owens, o chamou de “criado africano dos americanos”, porque ele não aceitava que um não-alemão pudesse possuir tantas qualidades físicas. Ainda mais quando se tratava de alguém da “sub-raça”, como o tirano se referia aos negros. Para Hitler, eles estavam apenas um degrau acima dos judeus. A resposta de Owens às afrontas nazistas veio com vitórias, em especial no salto em distância, quando estabeleceu a marca de 8,06 m, derrotando o alemão Lutz Long e fazendo Hitler abandonar o cenário olímpico.

Ovacionado por mais de 110 mil pessoas em Berlim e parado na rua para dar autógrafos, Owens não sofreu preconceito apenas na Alemanha nazista. Também nos EUA os negros não tinham os mesmo direitos dos brancos.

“Quando eu voltei para minha terra natal, apesar de todas as histórias sobre Hitler, eu não podia entrar no ônibus pela porta da frente e também não podia morar no lugar que eu queria. Eu não fui convidado a apertar as mãos de Hitler, mas também não fui à Casa Branca para apertar as mãos do presidente do meu país”, desabafou na época.

Neto de escravos

James Cleveland “Jesse” Owens, nasceu em 12 de setembro de 1913 na pequena cidade de Decatur, Alabama, mas mudou-se com a família para Cleveland, Ohio, aos 8 anos. Sétimo dos onze filhos de Henry e Emma Owens, JC era neto de escravos e filho de agricultores que pagavam o pedaço de terra com parte da colheita e produção familiar. O dinheiro era curto e o pai dele vivia sempre em busca de um emprego melhor. Ao chegar em Cleveland, JC foi matriculado em uma escola pública. No primeiro dia de aula, quando a professora lhe perguntou o nome, ela entendeu “Jesse”, em vez de JC. O “novo” nome pegou, e a partir daquele dia, o garoto passou a ser chamado de Jesse Owens.
A nova cidade não era bem aquilo que os pais de Owens esperavam e, por conta disso, o garoto fora obrigado a dividir o dia entre a escola e o trabalho. Ele foi entregador de mercadorias e auxiliar de sapateiro. Foi nessa época que Owens descobriu a corrida, esporte que mudaria a vida dele.

“Nós sempre nos divertimos muito. E nunca tivemos nenhum problema. Nós sempre comemos. O fato de a gente não ter um bife? E quem tinha bife?”, desabafou o campeão. 

O talento de Owens foi descoberto por um professor de ginástica na escola. Quando o técnico Charlie Riley viu o desempenho do garoto nas pistas, logo o convidou para fazer parte do time de atletismo. Apesar de Owens não poder comparecer aos treinos após a aula, em função do trabalho de meio período, Riley se para ofereceu treinar o garoto pela manhã. Owens aceitou. “Toda manhã, assim como no Alabama, eu acordava com o sol, tomava café, até mesmo antes da minha mãe e irmãos acordarem e ia para a escola, no inverno, primavera e outono, tanto para correr como para saltar. Fazia isso pelo meu corpo e pelo meu técnico.” 

“Eu sempre amei correr. É uma coisa que você faz por conta própria e tem total controle da situação. Você pode ir a qualquer direção, rápido ou devagar, brigando com o vento do jeito que você achar melhor.”

Disputa contra o preconceito

Muitas escolas e universidades tentaram recrutar Owens. A escolha foi pela Universidade de Ohio. Ali ele conheceu as mais bárbaras competições e não foi somente nas pistas. O preconceito racial, em 1933, era evidente, uma experiência difícil para um atleta iniciante. A Owens era solicitado que morasse fora do campus da faculdade, com outros afro-americanos. Quando viajava com o time, ele era obrigado a realizar as refeições em estabelecimentos destinados aos negros. O mesmo acontecia com os hotéis. Certa vez, um hotel para brancos aceitou hospedar os atletas negros. Desde que eles entrassem e saíssem pelas portas do fundo e usassem as escadas, em vez do elevador.
Como não tinha direito a bolsa de estudos, Owens usava, como sempre, tempo livre em empregos para se sustentar e a jovem esposa, Minnie Ruth Solomon. Foi ascensorista, garçom e trabalhou em livrarias. Todos os esforços valiam para poder praticar e cravar recordes nas competições.

“As batalhas que contam não são aquelas que trazem medalhas de ouro. O esforço é individual. A invisível, porém inevitável, luta que todos nós travamos é o que vale.”

Três recordes em 45min

Owens passou a semana que antecedeu as competições Big Ten, na cidade norte-americana Ann Arbor, do Estado de Michigan, em março de 1935, com uma forte dor nas costas em função de uma queda –ele rolou escada abaixo dias antes do evento. Técnicos e médicos questionavam se ele teria condições psicológicas de competir. Mas o atleta do Alabama recebeu os tratamentos necessários até o dia da prova e mostrou ao técnico Riley que ele estava bem para correr. A permissão foi apenas para as 100 jardas (91,44 m). Owens igualou o recorde mundial com o tempo de 9s4 e foi liberado por Riley para competir nas demais modalidades.

Assim, um ano antes de participar dos Jogos de Berlim, Owens estabeleceu mais três marcas mundiais, nas 220 jardas (em 20s3), 220 jardas com barreira (22s6) e salto em distância (8,13 m). Tudo em um intervalo de tempo de 45 minutos. 

As Olimpíadas de Hitler

Após as conquistas universitárias, Owens percebeu que poderia ter sucesso no nível mais alto de competição. Assim, em 1936, lá estava o negro americano, na Alemanha, para participar dos Jogos Olímpicos de Berlim ou das “Olimpíadas de Hitler”, como ficaram conhecidas.

A organização foi a maior vitória dos alemães. O interesse nas Olimpíadas daquele ano era demonstrar a força do governo nazista. A imprensa, na época, relatou que o acontecimento foi fora do comum, acima do que foi visto em Los Angeles ou em quaisquer outros Jogos Olímpicos anteriores. Acima de tudo, as Olimpíadas de Hitler estavam ali para provar ao mundo que a raça ariana tinha o domínio. Mas Owens tinha outros planos. E ao fim dos Jogos, até fãs alemães clamavam pela vitória do negro americano.

“Por um instante, ao menos, eu fui a pessoa mais famosa do mundo.” 

Jesse Owens foi o primeiro americano na história dos Jogos Olímpicos a ganhar quatro medalhas. 

Após o grande mérito

“Quando voltei dos Jogos Olímpicos com minhas quatro medalhas, todas as pessoas batiam em minhas costas me cumprimentavam e queriam apertar minhas mãos. Mas ninguém veio me oferecer um emprego.” 

Mesmo com o sucesso, a instabilidade financeira permanecia na família Owens. Infelizmente, naquela época, os Estados Unidos não ofereciam nenhuma ajuda de custo ao atleta, por causa de ele ser negro. Na tentativa de ajudar a família, Owens abandonou os estudos a um ano da formatura para correr profissionalmente. Por um período, ele competiu contra qualquer pessoa e até em disputas com cavalos, cachorros e motocicletas. A liga negra de beisebol sempre convidava Owens para competir contra cavalos puro-sangue em exibições especiais antes dos jogos. 

Owens também aceitava convites para discursar em eventos públicos. De fato, ele era tão admirado que começou, por conta própria seus próprios eventos públicos ao abrir em empresa de relações públicas. 

A Segunda Guerra Mundial (entre 1939 e 1945) interrompeu a carreira olímpica de Owens. Quando os Jogos voltaram a ser disputados em 1948 em Londres, ele, então com 35 anos, já não corria competitivamente mais.

Em 1976, Owens recebeu do presidente Gerald Ford a mais alta condecoração que um civil norte-americano pode ter: a Medalha da Liberdade. O negro que desbancou Hitler morreu no dia 31 de março de 1980, aos 66 anos, em Tucson, com complicações em função de um câncer no pulmão.

Do casamento com Ruth, em 1935, nasceram as três filhas, Gloria, Beverly e Marlene. Atualmente, Ruth e Marlene cuidam da Fundação Jesse Owens que presta assistência financeira e suporte a jovens carentes.

Os feitos da lenda


- Owens foi o primeiro americano na história olímpica a conseguir quatro medalhas de ouro em uma única olimpíada.

- destacou-se com a marca histórica de três recordes mundiais no intervalo de tempo de 45 minutos, no campeonato americano “Big Ten”.

- O recorde no salto em distância, com a marca de 8,13 m estabelecido no Big Ten permaneceu com Owens por 25 anos.

- Em junho de 2006 a NCAA anunciou Jesse Owens como o terceiro atleta de maior influencia para os estudantes esportistas. O jogador de beisebol Jackie Robinson e o tenista Arthur Ashe ocupam as duas primeiras posições.

::Ouros Olímpicos

Berlim, 1936
100 m
10s3
Berlim, 1936
200 m
20s7
Berlim, 1936
Salto em distância
8,06m
Berlim, 1936
4 x 100m
39s8
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...