terça-feira, 15 de março de 2016

Frase do dia!

Estratégia na corrida. Qual a melhor para você?

Estratégia na corrida. Qual a melhor para você?

Foto de Consultoria Esportiva Taubaté.
A corrida de rua é uma das formas mais antigas e rústicas de prática de exercício físico. Após o "BOOM" desta atividade neste novo milênio, muitos detalhes têm sido discutidos para fazer a "diferença" no desempenho, como musculação, suplementação, roupas tecnológicas e informatização. No entanto, um aspecto importante em todos os níveis, pouco tem sido discutido e pode contribuir muito no desempenho e no bem estar. Esse aspecto abordado hoje se chama "estratégia de corrida".
Estratégia de corrida é um método de planejar o futuro da corrida/competição com fundamento nos treinos e em ocasiões já conhecidas e difundidas anteriormente, seja por professores/pesquisadores/técnicos, corredores mais antigos ou até mesmo corridas anteriores.

Fazem parte da estratégia: horas de sono, alimentação, hidratação, suplementação, repertório musical (para quem corre ouvindo música) e a velocidade de corrida.
Um bom corredor amador não deveria correr competindo com outros corredores, sua maior competição deveria ser consigo. Pois o tempo final de corrida, o "pace" e a passagem de cada quilômetro deveriam fazer parte da estratégia traçada antes do tiro de largada. Corredores experientes e bem treinados geralmente pouco variam sua velocidade durante uma corrida. Essa é a nossa discussão de hoje!!! Qual a melhor estratégia para você? Como traçá-la?

Muitos fatores influenciam na escolha da estratégia. Nível de condicionamento, possibilidade de pódio e condição física do dia da prova, o que inclui frio, calor, umidade alta ou baixa, chuva, tipo de terreno, etc.
Iniciantes
Caso vá fazer sua primeira corrida, não vá no embalo da multidão, controle bem o seu tempo para não "morrer" no início da prova. Os melhores treinadores do mundo utilizam treinos de ritmo na semana que antecede a competição (Semanas geralmente denominadas: polimento ou taper). Para provas de 5 a 10 km, estímulos de 400, 600, 800, 1000, 1200 tem sido bastante utilizados com volume de pelo menos 20% menor do que o volume da corrida e intervalos curtos, de 45 seg à 1min. O intuito é "quebrar" o ritmo algumas vezes para que o corpo e a mente se eduquem ao ritmo da prova. Esse tipo de treino (intervalado com intervalo curto) ajuda muito a educar a cabeça.
Intermediários
Para quem já tem um tempo de pista, já "gastou um pouco a sola do tênis", sabe que a largada extremamente forte não é uma decisão sábia. Um ritmo constante na prova é o mais saudável e menos desgastante. Corredores que não possuem ritmo constante sofrem muito, pois chegam ao cansaço extremo muitas vezes e o desgaste físico e mental torna-se muito grande. Utilize as distâncias de 400, 600, 800, 1000, 1200, 1600 e 2000 para treinar ritmo, em distâncias iguais ou inferiores a meia maratona. Neste estágio, quando o corredor já se conhece mais, distâncias diferenciadas podem ajudar ainda mais. Exemplo: 400 + 800 + 1200 +1600 + 2000; treinos progressivos ou regressivos contribuem, pois a maioria dos corredores tem dificuldade de manter a velocidade de corrida com intervalados de curta distância. Mesclar as distâncias ajuda no controle do pace.
Profissionais e corredores experientes
Profissionais são pessoas que vivem da corrida e corredores experientes não necessariamente são corredores velozes e competidores, mas sim, pessoas que possuem bastante tempo de treino. Neste estágio há uma diferença significativa no que diz respeito à estratégia. Para um corredor que pretende bater um Recorde, a largada forte e o uso de coelhos (corredores que largam na corrida para impor um ritmo mais forte nos corredores que pretendem vencer ou bater Recorde) podem fazer a diferença. Quando o intuito é vencer, outras estratégias podem ser utilizadas, Por exemplo, dois corredores possuem o mesmo tempo numa maratona, porém um tem características de corredor de provas de 1500m, ou seja, consegue ser mais veloz no final da corrida.
Quando isso acontece, o corredor que não tem característica de aumentar a velocidade na reta final tenta "quebrar" o ritmo diversas vezes até o quilometro 37, ou largar muito forte para deixar seu oponente "assustado" no início da corrida. A menos que esteja valendo um dinheiro, não se aconselha que amadores façam isso.
O consenso de estratégias perfeitas relacionadas ao alto nível ainda não existe, pois Recorde pessoais e mundiais já foram batidos com a utilização de split negativo (segunda metade da prova mais rápida que a primeira). A seleção americana de corrida cross utiliza tiros de 800, 1600, 3000 e 5000 para treino de ritmo em maratonas
Independente da sua classificação, a estratégia mais eficaz é treinar e tentar fazer o que foi planejado. Se o corpo "pedir" aumente na segunda metade da corrida.

Aquecer antes do tiro de largada ajuda a entrar no ritmo e diminuir a tensão. Caso tenha dificuldade de dormir no dia anterior, faça alguma atividade leve à tarde (caminhada, trote), não faça exercício na parte da noite que dificultará o sono. Coma alimentos leves. A estratégia ajuda a diminuir o nervosismo e deixa o corredor mais consciente.


quinta-feira, 10 de março de 2016

Como Identificar Rapidamente Seu Percentual de Gordura Corporal!

O percentual de gordura corporal é a melhor e mais assertiva forma para você de medir o progresso no plano de treinamento de força. É absolutamente crucial que você defina metas, e mais importante, ter formas concretas de medir essas metas. Depois de tudo, ter uma meta é um pré-requisito para realmente chegar a algum lugar… Do contrário você estaria apenas passando por movimentos sem chegar a lugar nenhum.
Um dos maiores problemas enfretados quando se está tentando começar ou manter em um programa de ginástica é que os objetivos são muito audaciosos, ou não estão definidos claramente. Se “eu quero ser tão definido quanto o Victor Belfort” é a sua meta, que ótimo, mas como você mede isso?
Se não temos uma ideia clara de onde queremos chegar com os nossos objetivos físicos, será difícil definir um plano para o sucesso e até mais difícil ainda ficar motivado.
Para essas pessoas que sabem o que querem (ser as mais definidas possível), o percentual de gordura corporal pode ser uma medida chave para o sucesso.

Como você pode “medir” o percentual de gordura corporal?

Existem diversas formas de medir o percentual de gordura corporal. Algumas delas são muito caras e a maioria imprecisa. É por isso que eu reunimos essa série de imagens para mostrar como são os diferentes percentuais de gordura do corpo. Com sorte, essas fotos irão ajudar você a ser capaz de identificar onde você está, e quanto trabalho tem a sua frente.
É importante manter em mente que nem todo mundo armazena gordura da mesma forma, então dois corpos com o mesmo percentual de gordura corporal podem parecer bem diferentes. A distribuição de gordura nos homens também variam com a idade.

HOMEM 




MULHER 

BONS TREINOS!


sábado, 5 de março de 2016

12 dicas para encarar subidas e descidas durante sua corrida:

Foto de Consultoria Esportiva Taubaté.

Nada mais desafiador (ou desanimador para alguns) do que encarar uma bela subida durante a corrida, seja ela durante um treinamento ou uma participação em alguma prova de rua.
Não é a toa que a famigerada subida intimida a maioria dos corredores. Nosso corpo passa a fazer um esforço muito maior para impulsiona-lo morro acima, exigindo principalmente dos membros inferiores (perna como um todo), glúteos e musculatura lombar.

Tudo isso acaba exigindo maior fluxo sanguíneo nesses grupamentos musculares, o que promove um aumento significativo da frequência cardíaca, e consequentemente uma maior fadiga.

Acaba sendo comum alguns corredores recorrerem à caminhada devido ao alto grau de esforço, cansaço e a elevada frequência cardíaca.

Mas não é somente a subida que deve receber atenção durante a corrida. Se você encarar uma subida, provavelmente terá uma descida em algum momento da corrida. Quando se corre em descida, o peso corporal é maior sobre as articulações do que quando se corre em terrenos planos ou inclinados.

Veja a seguir 12 dicas elaboradas para encarar subidas e descidas durante sua corrida com segurança e eficiência:
Subidas:
- Incline o tronco para frente, mantendo as costas retas.
- Diminua o tamanho da passada.
- Coloque mais peso na parte anterior dos pés (quanto maior a inclinação da subida menos o calcanhar toca o chão).
- Coordene e amplie o movimento dos braços.
- Cadencie a respiração.
- Mantenha a cabeça alinhada com a coluna, olhando para frente em um ângulo de 45º.
- Amplie a altura dos joelhos, de forma moderada.
Descidas:
- Se a inclinação da descida for muito acentuada, incline o troco para trás, mantendo-o reto.
- Faça o rolamento da pisada, entrando no solo com o calcanhar e projetando-a para a ponta.
- Utilize o joelho como um amortecedor natural, flexionando a perna a cada entrada no solo.
- Não tente recuperar ou ganhar tempo, acelerando na descida! Tanto a musculatura como as articulações são muito exigidas nessas situações e o risco de lesões é maior.
- Aproveite para recuperar o fôlego e mantenha o foco.
Encaixe nos seus treinos de corrida, exercícios de fortalecimento muscular, além é claro, de treinos de subida e descida.

Bons treinos!

FRASE DO DIA!

PERCURSO XXXI CORRIDA 5.º BPM/I "GENERAL SALGADO! 10 KM E 5 KM!




BONS TREINOS! 

terça-feira, 1 de março de 2016

50 motivos para correr!

Se ainda precisa de um empurrãozinho extra para começar nas passadas, veja esta lista de razões para incluir o esporte de uma vez por todas na sua vida.




Ficar mais magro, mais bonito, mais feliz? Tudo isso a corrida pode fazer por você. Separamos uma pequena lista de benefícios que a modalidade traz, com base em pesquisas científicas e na palavra de treinadores e especialistas. São 50 motivos para amar ainda mais o esporte. Confira!

1. Durma melhor 
Pesquisadores da Universidade de Stanford (EUA) descobriram que a corrida foi um santo remédio para a turma da insônia. Após uma rotina de trotes de 20 min a 30 min em dias alternados, o tempo para dormir caiu pela metade, e o sono durava uma hora a mais, em média.
2. Ria à toa 
O efeito da endorfina, a já conhecida substância ligada à sensação de bem-estar, é potencializado após uma corridinha. Um estudo clássico da Universidade de Bohn, na Alemanha, analisou o cérebro de 10 corredores antes e depois da prática e comprovou a maior atividade das áreas ligadas à emoção.
3. Sem tempo ruim
O esporte pode ser praticado nas praças, ruas, pistas, parques, academia ou na esteira dentro de casa. Não importa a condição climática ou se você tem a companhia de outras pessoas ou equipamentos, você sempre pode correr, sem desculpas. E o melhor, é de graça!
4. Casal menos 20 (quilos!)
Se o casamento foi responsável por aqueles quilos a mais, acabou a desculpa. Cientistas da Universidade de Medicina da Pensilvânia (EUA) estudaram durante dois anos pessoas com objetivo de perder peso. Ao todo, 63 pessoas fizeram o programa sozinhas e 281 com um companheiro. O resultado? Fazer exercício junto com a pessoa amada ajuda a emagrecer mais do que frequentar a academia só, apontou o estudo publicado na revista Archives of Internal Medicine.

5. Mente afiada 
Correr pode te deixar mais perspicaz que a musculação. Pesquisa da Universidade de Illinois (EUA) mostrou que quando a corrida aumenta em 5% o condicionamento cardiorrespiratório, observa-se uma melhora de até 15% nos testes mentais. Os resultados foram publicados na Medicine & Science in Sports & Exercise, mostrando também que os atletas tiveram tempo de reação menor. Os médicos acreditam que fatores de crescimento estimulados pelo treinamento de resistência (musculação) permanecem nos músculos, enquanto os produtos de treinamento aeróbio circulam pela corrente sanguínea e correm para o cérebro.
6. Mande o estresse embora
Ao correr, estimula-se a criação de novos neurônios, e eles são, em geral, menos responsivos ao estresse, daí a corrida ser um ótimo aliado no combate à ansiedade. Pesquisadores americanos compararam a resposta de ratos ativos e sedentários ao estresse, e nos roedores ativos os neurônios mais jovens (formados após a inserção da rotina de exercícios físicos) ficaram menos ativados.

7. Joelhos sadios 
Medo de sobrecarregar as articulações não é uma desculpa 100% aceita. Sim, é verdade que a cada pisada o joelho de um corredor recebe uma força igual a oito vezes o seu peso corporal, mas um estudo de 21 anos realizado na Universidade de Stanford (EUA), que acompanhou cerca de 1 000 corredores e não corredores, mostrou que não há maior incidência de osteoartrite no grupo da corrida. Pesquisadores australianos também publicaram na revista Arthritis and Rheumatism os resultados de um estudo que mostrou que aqueles que se exercitavam vigorosamente tinham cartilagem do joelho mais grossa e saudável do que seus pares sedentários.
8. Postura perfeita 
Para correr da maneira correta, obrigatoriamente você também estará cuidando da postura: barriga para dentro, costas alinhadas, ombro erguido e cabeça reta.
9. Melhore na cama 
Um estudo da Universidade da Califórnia (EUA) mostrou que homens que praticavam atividade física por uma hora de três a quatro vezes por semana tinham 30% mais relações sexuais que os amigos sedentários. Outra pesquisa, da Universidade de Cornell (EUA), descobriu que homens corredores tinham o desempenho sexual de homens de dois a cinco anos mais novos.
10. Ossos fortes
Correr fortalece os ossos mais do que outras atividades aeróbicas, dizem pesquisadores da Universidade de Missouri (EUA), que compararam a densidade óssea de corredores e ciclistas. Enquanto 63% dos ciclistas tiveram baixa densidade na coluna ou quadril, apenas 19% dos corredores apresentaram o problema.
11. Ouça seu corpo
O momento da corrida é aquela hora do dia que permite um contato íntimo com seu corpo. Preste atenção ao seu coração, pulmão, pernas. Tudo está trabalhando em função da corrida e do seu prazer no momento. Aproveite!
12. Equilibrista 
Correr na rua ou em trilhas obriga você a desviar rapidamente de obstáculos, buracos, pedras, galhos e desníveis, tornando-o cada vez mais ágil.
13. Eventos marcantes
O calendário do corredor é intenso. Participar de provas é ótimo para testar seu desempenho e ter mais ânimo para os treinos, além de ser um dia bastante especial e cheio de amigos e boas energias.

14. Petiscos liberados 
“Uma pessoa de 70 kg queima em média 500 cal durante uma hora de corrida. Assim, se o gasto energético diário ‘normal’ é de 2 000 cal, no dia da corrida é de 2 500 cal. Como um bombom sonho de valsa tem 115 cal, por exemplo, esse corredor pode cometer alguns deslizes sem prejudicar a dieta”, conta Serena del Favero, nutricionista especialista em Fisiologia do Exercício pela Unifesp.
15.  Viva mais
Uma revisão de 22 estudos descobriu que as pessoas que fazem 2,5 horas de exercícios ao ar livre por semana têm 19% menos probabilidade de morrer prematuramente. E tem mais: a corrida pode estender a vida em até seis anos, de acordo com um estudo com moradores de Copenhague (Dinamarca), que envolveu quase 20 mil pessoas. Os cientistas descobriram que aqueles que corriam de uma a duas horas e meia por semana tinham uma expectativa de vida de 6,2 anos maior para homens e de 5,6 anos para mulheres.
16. Cabeça fresca
Durante a corrida, é normal que o foco seja a própria atividade, e os problemas vão sendo esquecidos. Questões de trabalho e relacionamento dificilmente têm vez enquanto você se esforça para terminar seus cinco tiros de 300 m. “Durante o treinamento de corrida, você está concentrado em cumprir suas metas de treino e, com isso, toda e qualquer preocupação fica em segundo plano”, explica Alexandre Machado, diretor-técnico da GO Runners Assessoria Esportiva e idealizador da metodologia VO2 Pro de treinamento.
17. Caridade passo a passo
Já pensou em correr por caridade, angariando fundos para os mais necessitados? A modalidade ainda engatinha no Brasil, mas lá fora é uma verdadeira febre. Na Maratona de Londres, por exemplo, um terço dos participantes se inscreve nas provas para pedir fundos para alguma instituição.
18. Com vista para o mar
É um dos esportes que pode ser praticado na areia da praia. Quer motivo melhor? E com baixo risco de lesão: em relação ao asfalto, a areia úmida implica 30% menos impacto, e a areia seca, menos 80%. E lá se vão as calorias, pois correr na areia proporciona um gasto energético quase três vezes maior que a corrida na grama.
19. Controle emocional 
Além do esforço físico, a corrida também trabalha com a parte psicológica. Com o tempo, você aprende a manter a paciência quando os quilômetros parecem ser intermináveis e a lidar com os imprevistos que surgem o tempo todo, como a dor, o desconforto e desafios extras.
20. Curta suas músicas favoritas
Além de ser um tempo para cuidar de si, a corrida pode ser feita ao som da sua playlist preferida. Estudo da Universidade de Brunel (Inglaterra) provou que a música traz a sensação de o tempo passar mais rápido, diminui a percepção do cansaço e ainda melhora o humor.

21. Sem idade
Cientistas da Universidade de New Hampshire (EUA) e outras instituições recrutaram 51 corredores experientes entre 18 e 77 anos para avaliar a economia de corrida, medida da quantidade de oxigênio usada para gerar energia para o exercício, e descobriram que os corredores com mais de 60 anos não eram menos econômicos do que os jovens, como se pensava. O resultado mostrou que fisiologicamente, apesar de mais lentos, todos os corredores experientes eram igualmente econômicos na utilização de oxigênio.
22. Seque rapidamente 
Cientistas acompanharam um grupo de ultramaratonistas para verificar uma série de dados sobre a corrida e os resultados foram apresentados no encontro anual da Sociedade Radiológica da América do Norte. Uma das conclusões mais animadoras foi que o primeiro tecido afetado pelo esporte foi o adiposo, e a perda de gordura visceral ocorreu muito mais cedo do que se pensava. Assim, quando você começa a correr, o emagrecimento é muito mais acentuado no início e os resultados mais visíveis.
23. Menos gripes
Um relatório publicado na British Journal of Sports Medicine mostrou que a frequência de resfriados em pessoas que se exercitam cinco ou mais dias por semana é até 46% menor do que as sedentárias. Além disso, o número de pessoas fisicamente ativas que sofreram com os sintomas foi 41% menor. Outro estudo, da Appalachian State University (EUA), mostrou que uma caminhada diária de 40 min em intensidade moderada garante a metade do número de dias doentes devido a resfriados ou dores de garganta.
24. Visão afinada 
O risco de glaucoma também é menor para quem pratica atividade física vigorosa, diz artigo publicado pelo Medicine & Science in Sports & Exercise após estudo com 55 mil corredores. O risco diminui 5% a cada quilômetro adicionado ao treino diário e reduz ainda mais conforme aumenta-se a velocidade. Quem correu 10 k em menos de 37 min apresentou metade da chance de ter glaucoma que aqueles cujo melhor tempo era próximo aos 50 min.
25. Osteoporose na mira
Apenas 15 min de trote leve três vezes por semana já são capazes de reduzir 40% a probabilidade de desenvolver osteoporose, conforme dados publicados pela National Osteoporosis Society, do Reino Unido.

26. Barriga de tanquinho
Um estudo de oito meses comparou a perda de gordura visceral (dentro do abdômen) entre praticantes de corrida e musculação em quase 200 adultos. Os participantes deveriam correr 12 k por semana ou fazer três séries de oito a 12 repetições três vezes por semana. O estudo mostrou que a corrida foi imbatível. O exercício aeróbico reduziu significativamente a gordura visceral, considerada a mais prejudicial à saúde do fígado, e reduziu fatores de risco de doenças cardíacas e diabetes, queimando 67% mais calorias que o treinamento de musculação.
27. Boas lembranças
Tanto a corrida quanto outros exercícios aeróbicos auxiliam o crescimento de novas células cerebrais e ajudam a
recuperar a memória, mostraram neurocientistas da Universidade de Cambridge (Reino Unido). Poucos dias de corrida foram capazes de promover o crescimento de milhares de novas células cerebrais, especialmente em uma região ligada à formação e recordação de memórias, podendo ser um aliado no combate ao Alzheimer.

28. Vitaminado 
Evitar o sol a todo custo não é bom, pois ele é fonte de vitamina D, essencial para absorção do cálcio nos ossos. Estudo da revista científica Archives of Internal Medicine mostrou que mais de três quartos dos adultos apresentam deficiência de vitamina D. Quem corre ao ar livre aproveita um pouco o sol nos melhores horários do dia, no começo da manhã (antes das 9h) ou no fim da tarde (após às 16h30).
29. Mais disposição
Corredores acima de 50 anos que praticam a atividade três vezes por semana têm risco de impotência 30% menor que sedentários, afirmou pesquisa realizada em Harvard.
30. O segredo está no caminho
O prazer está no dia a dia de treinos e na satisfação de pequenas conquistas, como reduzir o tempo de conclusão de uma prova em alguns segundos. Portanto, independentemente dos resultados, aprecie o processo (os treinos diários, a disputa, as amizades e as viagens). Qual outro esporte dá a sensação de todos serem vencedores?
31. Pão sem culpa
Outro bom motivo para inserir a corrida na rotina é que após a atividade alimentos de alto índice glicêmico estão liberados. “Não precisa se preocupar com a aumento de insulina e o estoque de gordura corporal. Os carboidratos presentes no pão branco, massa e arroz branco – tão temidos pela turma da dieta – são necessários para a recuperação e reposição de glicogênio muscular. Neste momento, um pão francês pode ser consumido, mas claro, sem exagerar na quantidade”, diz a nutricionista Serena.
32. Exames nota 10
Quem corre semanalmente pelo menos 16 k tem 39% menos chances de usar remédios para pressão alta e 34% menos probabilidade de precisar baixar o colesterol com medicamentos em comparação com aqueles que não correm mais do que 3 k. Uma outra pesquisa, de cientistas da Universidade do Sul da Califórnia (EUA), acompanhou 91 corredores de 50 a 60 anos e descobriu que eles tinham melhores valores de pressão arterial, colesterol e triglicérides em comparação a sedentários da mesma idade.
33. Mente sã para sempre
Um estudo mostrou que mulheres ativas durante a adolescência tinham menos propensão a desenvolver demência na velhice. E recentemente um estudo da Universidade de Pittsburgh (EUA) comprovou que mesmo a caminhada tem ação efetiva na diminuição dos riscos de demência. A pesquisa foi realizada com quase 300 pessoas com média de 78 anos e, ao fim de 13 anos, a turma dos que andavam pelo menos 1,5 k por dia não apresentou perda de massa cerebral, ao contrário dos sedentários.
34.  Longe da asma 
Pesquisadores pediram a asmáticos que fizessem exercícios aeróbicos e musculação por uma semana. Após três meses, eles relataram menos chiado e falta de ar. Outra pesquisa, conduzida na Suécia, avaliou que pessoas que se exercitam durante uma hora por dia são 18% menos propensas a sofrer infecções respiratórias.
35. Amizade, companheirismo, casamento
É notável a união entre os corredores. Seja no grupo de treino ou nas redes sociais, o assunto de quem curte as passadas é sempre o mesmo. E não raro termina até em casamento, quando os pombinhos decidem unir seus pares de tênis. “Conheci a Cintia, minha noiva, pelo Twitter, onde temos um grupo (twittersrun), no qual conversamos/discutimos sobre corridas. Tudo é muito mais fácil, um respeita o treino do outro e sempre fazemos provas diferentes, até para dar um apoio fora da corrida, já que eu corro na elite dos amadores e ela na elite do fundão”, brinca o gerente financeiro Anderson Zacarias.
36. Viagens mais intensas 
Correr em outras cidades ou países é uma ótima maneira de aproveitar mais os lugares e vivenciar experiências únicas. Ou, pelo menos, é mais um belo pretexto para fazer as malas e sair pelo mundo com seus tênis.
37. Prevenido e organizado
Se você é desligado, a corrida também pode te colocar no eixo. Para fazer o que gosta, é preciso ter disciplina, organização e planejamento: programar o melhor horário para treino, hidratação, rotas, alimentação e, um dia antes das provas importantes, deixar tudo preparado. Nada de improviso.
38. Sem limite de idade
Em todas as corridas – e especialmente as maratonas –, é cada vez maior o número de concluintes com 50 anos ou mais. Ou seja, não há desculpa de idade para não calçar os tênis. “Eu recomendo a corrida de rua por proporcionar saúde, ser um esporte que pode ser praticado em todos os locais e, se bem orientado, pela maioria das pessoas com diferentes níveis de condicionamento e idade. Mais do que só ter qualidade de vida, a corrida te proporciona uma vida com independência”, enaltece André Ricardo, diretor técnico da BR Move Treinamento de Corrida.
39. Facilitando outros esportes
A corrida pode ser excelente aliada de outros esportes, por dar a base de resistência cardiorrespiratória e muscular. “A corrida melhora a capacidade aeróbia, característica importante para qualquer modalidade. Para fazer exercícios anaeróbios ou explosivos e outros trabalhos mais intensos, essa capacidade é fundamental”, afirma Flávio Freire, diretor técnico da Flávio Freire Assessoria Esportiva.
40. Liberte-se de seu genes 
Um estudo realizado na Finlândia com gêmeos constatou que aqueles que foram mais ativos ao longo de 32 anos acumularam 50% menos gordura corporal que o irmão. Ou seja, gene não é determinante, e a corrida pode garantir sua boa forma.
41. Descanso mais gostoso
A pausa é tão importante quanto o treinamento ou até mais, pois possibilita a recuperação das reservas energéticas e, com isso, o alcance de um melhor nível de condicionamento. Por isso, em alguns dias, você pode se entregar à preguiça sem culpa. O descanso pode variar de 12 horas (treino leve) a 72 horas (treino intenso).
42. Abaixe essa pressão
A corrida, como exercício aeróbico, tem atuação efetiva e comprovada contra a hipertensão, doença que, segundo a Organização Mundial da Saúde, afeta 30% da população adulta. Pesquisas diferentes revelam uma redução de pelo menos 3 pontos na pressão sistólica e diastólica em pessoas com pressão normal, e uma redução maior ainda em hipertensos depois da prática de exercícios, chegando a uma queda média de 6-7 pontos conforme aponta um artigo que revisou 22 pesquisas sobre o tema, feito pela Universidade de Auckland (Nova Zelândia). E o melhor: o resultado é visto imediatamente após a corrida e pode durar até 22 horas!
43. Conquiste um corpo invejável
Abdômen chapado, pernas bem torneadas e tudo em cima? A corrida também faz isso por você! Basta usar com sabedoria todo o “arsenal” de treinos disponíveis: intervalados, longos, fartlek…
44. Troque o remédio 
Pesquisadores da Unifesp têm comprovado que exercício físico aeróbico moderado como a corrida pode ser muito eficaz para o tratamento de ansiedade, de depressão e de síndrome do pânico.
45. Sinta-se poderoso
“A corrida é um momento de autoconhecimento e de busca de bem-estar. Ao dar sequência aos treinamentos e observar os resultados, a pessoa se sente mais motivada a enfrentar desafios cada vez mais instigantes. Esse aprendizado pode ser transferido para outros setores da vida, fazendo com que a pessoa se sinta mais capaz de enfrentar situações de superação de um modo geral”, explica Simone Meyer Sanches, presidente da Associação Brasileira de Psicologia do Esporte e psicóloga do Instituto Vanderlei Cordeiro de Lima (IVCL).
46. Felicidade plena 
Em sua dissertação de mestrado defendida na Unicamp, o pesquisador Fábio Massarella identificou o estado “flow” em corredores de rua. Esse estado foi nomeado pelo psicólogo Mihalyi Csikszentmihalyi para identificar momentos que tiveram um significado de superação, exigiram muito esforço, empenho e dedicação, mas como recompensa deixaram a sensação de que se deu um passo à frente na existência, de que algo foi acrescentado, de se tornar pessoas mais felizes, mais completas. Para Csikszentmihalyi, o flow é um estado mental no qual as pessoas estão de tal maneira mergulhadas em uma atividade que nada mais parece ter importância. O termo surgiu das descrições que as pessoas faziam dos sentimentos envolvidos quando se encontravam imersas em determinada experiência, de alegria quase perfeita.
47. Desplugado
Correr é um dos poucos esportes que pode ser praticado de forma livre, sem muitos apetrechos. “Um esporte teoricamente fácil e altamente democrático, e você, de quebra, ainda sai do sedentarismo e evita uma série de doenças crônicas degenerativas, como cardiopatias, hipertensão e outras”, afirma Alexandre Machado, diretor técnico da GO Runners Assessoria Esportiva e idealizador da metodologia VO2 Pro de treinamento.
48. Câncer de Mama
Uma pesquisa recente publicada na revista Cancer, da Sociedade Americana para o Câncer, mostrou uma redução de até 30% no risco dessa doença em mulheres que praticavam atividades físicas recreacionais.
49. Coração treinado
Correr fortalece o sistema cardiovascular, tornando o coração mais eficiente, e diminui o pulso basal. Durante o repouso, o coração bate cerca de 70 vezes por minuto e, a cada contração, bombeia entre 60 ml e 100 ml de sangue para o corpo. Durante o exercício, esses números se multiplicam: a frequência cardíaca ultrapassa os 150 batimentos por minuto e o bombeamento atinge cerca de 20 litros por minuto. Esse “estresse”, ao contrário do que pode parecer, fortalece o coração, um músculo que, como os outros, precisa ser exercitado.
50. Doce solução
É comprovado: o exercício ajuda a insulina entrar no músculo e não se acumular no sangue. O Programa de Prevenção ao Diabetes dos EUA concluiu que uma redução de 7% no peso e a realização de pelo menos 150 min de atividade física por semana pode reduzir a incidência de diabetes tipo 2 em 58% em pessoas com risco para desenvolver a doença. A necessidade de maior consumo de energia faz com que o exercício estimule a captação de glicose, melhore a sensitividade à insulina após o esforço e promova a queima de gordura. Ou seja, para quem é diabético, é uma das melhores maneiras de manter a doença sob controle.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...